Um reencontro especial entre uma equipe de resgate do Corpo de Bombeiros Militar do Espírito Santo (CBMES) e a costureira Solange Silva Oliveira Coelho, marcou o Dia Nacional do Bombeiro, comemorado nesta terça-feira (02). “Sou muito grata aos bombeiros que me socorreram. A ajuda deles foi essencial para que meu filho nascesse com vida”, contou.

No dia 19 de março, Solange, que estava com nove meses de gestação, seguia de Vila Velha com o marido para uma maternidade em Vitória, onde o parto do filho do casal estava programado. Porém, alguns imprevistos dificultaram o acesso ao socorro. Solange precisou retornar de Vitória para Vila Velha, pois o parto havia sido desmarcado.

A gravidez de Solange era de risco. O bebê estava com o cordão umbilical enrolado no pescoço e não poderia deixar de fazer o parto na data programada.

Naquele dia, as fortes chuvas que atingiram o Estado deixaram as ruas de Vila Velha alagadas. Solange precisou ser resgatada pelos bombeiros, que usaram um barco de alumínio, para que ela chegasse até o hospital mais próximo, localizado no bairro Divino Espírito Santo.

Reencontro foi emocionante. Foto: Sesp
Reencontro foi emocionante. Foto: Sesp

O socorro foi realizado pelo sargento Marco Antônio Cordeiro e o soldado Heverson Vinicius Barbosa da Silva, que tentaram tranquilizar Solange durante todo o percurso para a maternidade. No dia do resgate a equipe havia começado o plantão pouco antes das 7 horas da manhã, pois, devido as fortes chuvas, muitos moradores da região já haviam contado com o auxílio da equipe de resgate da 2ª Companhia.

Reencontro

Nesta segunda-feira (01), Solange reencontrou a equipe que realizou o resgate dela e do marido antes do nascimento do filho Guilherme, atualmente, com três meses. Guilherme nasceu no dia seguinte, saudável, com 4,230 kg. Segundo ela, o socorro dos bombeiros foi fundamental para que o parto ocorresse tranquilo.

“Como minha gravidez era de risco, aquela situação aumentou ainda mais o meu nervosismo. Estava há mais de 12 horas sem comer, porque meu parto estava agendado, mas não pude fazê-lo em Vitória. O cuidado com que os militares me trataram, tentando me tranquilizar, foi fundamental. Esse é um trabalho lindo. Estou apaixonada pela profissão de bombeiro” diz Solange.

Para o sargento Cordeiro esta é a principal razão em ter escolhido a profissão. “É gratificante poder ajudar a salvar vidas. Tentamos o tempo todo tranquilizar a Solange e o marido no momento do socorro. Saber que tudo correu bem e que a família deles está completa, com o nascimento do Guilherme, é muito gratificante”, diz Cordeiro que está há 17 anos na corporação e contou com a influência do pai, capitão bombeiro aposentado e do irmão, que também é bombeiro, para seguir a profissão.

O soldado Heverson Vinicius Barbosa da Silva, que está há cinco anos no CBMES, ficou emocionado com o reencontro. “Sempre que fazemos um resgate e entregamos a vítima aos cuidados médicos, ficamos curiosos em saber o que aconteceu com aquela pessoa, em saber se ela se recuperou bem e se segue uma vida normal. Nesse caso, foi muito emocionante e gratificante ver a Solange com o filho Guilherme, grande, forte e saudável”, diz o soldado.

Grata pela ação dos bombeiros, Solange ressalta que se depender dela, o filho Guilherme também seguirá a mesma carreira. “Quando meu filho crescer vou contar toda essa história e explicar que foi graças a esse profissional que ele nasceu bem e saudável. No que depender de mim ele será um bombeiro militar”, diz Solange.

Fonte: Sesp

Deixe seu comentário