Os funcionários da VGN, empresa ganhadora do processo de licitação para explorar estacionamento rotativo em Guarapari, receberam na tarde de ontem (3) uma notícia pouco animadora. Eles foram convocados para comparecer à sede da empresa para deixar os uniformes, crachás e carteiras de trabalho.

A empresa comunicou os funcionários através do whatsapp. Apesar de ter sido repentina, a demissão não foi surpresa para a maioria deles.

Agentes  estão orientando os motoristas sobre o funcionamento do rotativo na cidade. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Funcionários foram convocados para levarem carteira de trabalho e uniformes para a sede da empresa. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“O sentimento que fica é de frustração, pois a situação de nossa cidade é desanimadora, mas de qualquer forma, já esperávamos que o contrato seria reincidido pois graças a incompetência de nossos administradores em querer fazer tudo às pressas ia dar nisto. Agora é voltar para a fila dos desempregados de nossa cidade que já não é pequena”, desabafou um funcionário da empresa que não quis se identificar.

Os funcionários começaram a chegar à sede da empresa por volta das 13 horas. Entregavam o material pedido pela empresa e saiam. Uma funcionária chorou, lamentando ter que voltar para a “fila dos desempregados”.

A avenida Dr. Roberto Calmon, no Centro, é uma das ruas onde será cobrado o rotativo em Guarapari
A VGN acredita na possibilidade de recontratação. Foto: João Thomazelli/Portal 27

A Vista Group Network (VGN) explicou que por causa da indefinição de uma data para começar as cobranças do rotativo, não existem condições para manter o pagamento dos funcionários. Ao todo, 63 pessoas, entre agentes de trânsito e pessoal administrativo serão dispensados. A VGN informou ainda que os gastos com folha de pagamento e treinamento de pessoal já chegou a R$ 242 mil.

O diretor da VGN informou que acredita na possibilidade de recontratação. “O contrato de experiência vence nos próximos dias e a empresa precisava tomar uma decisão, sabemos o impacto que vai acarretar para as famílias e para a sociedade, principalmente num momento delicado de desemprego no país, mas acreditamos na possibilidade de recontratação em breve”, afirmou Ricardo Silva Martins.

Prefeitura

Questionada sobre a demora na municipalização do trânsito, que é um dos itens fundamentais para a cobrança do rotativo, em nota a prefeitura respondeu o seguinte:

“O detalhamento do processo se dá por haverem fases obrigatórias a serem cumpridas até a municipalização do trânsito. A Prefeitura está finalizando os procedimentos necessários para implementação da municipalização do trânsito de Guarapari, bem como o início da operacionalização do estacionamento rotativo na cidade, com previsão para o início de setembro”.

E continua: “Cumprindo uma das fases do procedimento de regularização, agentes já estão sendo capacitados para atuarem diretamente no trânsito, com a municipalização”.

Deixe seu comentário