Uma nutricionista, de 34 anos, grávida de 8 meses, teve o carro arrombado e a bolsa da grife Victor Hugo roubada por criminosos durante um ensaio fotográfico de gestante. O crime aconteceu na tarde desta quinta-feira (7), na Praia Castelhanos, em Anchieta.
 
O carro da nutricionista que estava na praia foi arrombado.

A família acionou a Polícia Militar e a vigilância particular que atua na região. A vítima disse que a delegacia de plantão era a de Guarapari e antes de fazer o registro do roubo, decidiu realizar os procedimentos de segurança, como cancelar os cartões que haviam sido levados.

 
No final do dia, a boa notícia – policias militares de Anchieta entrou em contato com família, informando que a bolsa havia sido encontrada por guarda-vidas. Apenas R$ 40 reais da bolsa foi levada. 
 
Mãe-Bá. Era para ser apenas uma parada e alguns cliques, mas dois homens armados que estavam à pé levaram quase R$ 100 mil em equipamentos fotográficos, joias, celulares, roupas e o carro que estava estacionado as margens da Rodovia do Sol, na altura do bairro Mãe-Bá, em Anchieta. 
 
Os fotógrafos e sócios Francisco Sales e Bruna Oliveira, e as clientes – mãe e filha, foram rendidos enquanto seguiam para as falésias da praia, onde algumas fotos seriam feitas. O fotógrafo relata que a ação foi muito rápida. 
 
“Era por volta das duas e meia da tarde de ontem (quarta-feira). Nós ainda estávamos chegando na praia quando fomos abordados. Nem começamos as fotografias. Eles estavam a pé e armados. Eu estava um pouco mais a frente e fui abordado primeiro. Eles me chutaram e me fizeram ficar com o rosto virado para a areia. Colocaram a arma na nossa cabeça, pegaram tudo e foram para o carro”, conta Francisco. 
 
Nas mãos, os fotógrafos disseram que carregavam poucos equipamentos, justamente por conhecer o local e saber que é deserto. No entanto, o restante do material fotográfico que seria usado para fotografar as clientes estavam em bolsas que ficaram guardadas no porta-malas.  
 
Mesmo com a abordagem inusitada, Francisco acredita que o crime não foi premeditado. “Não digo que foi nada planejado, porque nem a gente estava pensando em ir no local. Certamente eles estavam ali por saberem que é um lugar de fotógrafos. Nós íamos parar ali por dois minutinhos, já que o planejado era fazer as fotos na Praia dos Padres”, esclarece o fotógrafo.  
 
O ensaio fazia parte do Book de 15 anos, de uma estudante de Cariacica, mesma cidade dos fotógrafos. A Praia dos Padres foi escolhida pelas clientes, pois segundo os profissionais, as praias da Grande Vitória são muito movimentadas e atrapalha na hora de fotografar.
 
Para Francisco, o que mais doeu foi ver todos os equipamentos que eles levaram 10 anos para comprar, sendo levados de uma maneira tão rápida. “A câmara que eu tenho hoje, é resultado da câmara anterior que eu vendi. Só é possível comprar novas lentes, com os trabalhos realizados com a s lentes anterior. Nós fomos compramos tudo aos poucos, com o resultado do nosso trabalho”, comenta o fotógrafo. 
 
E completa. “Estamos nas mãos dos bandidos, porque eles andam armados e nós não. Não pensei em reagir, porque lembrei logo da minha filha de apenas três anos. Foi um sentimento de impotência e agora de esperança, já que estamos torcendo muito para que a polícia de alguma forma se empenhe para recuperar”, finaliza. 
 
Ensaio 27 foi realizado nas falésias.

Fotógrafos de Guarapari contratam seguranças. Por se tratar de um local deserto, para realizar um ensaio fotográfico nas falésias da Praia de Mãe-Bá, em Anchieta, o produtor e o fotógrafo contrataram segurança armada para segundo eles, se sentirem mais seguros. Foi desembolsado R$ 300 reais. 

 
O produtor e editor do Portal27, Wilcler Carvalho, disse que a região acende um alerta pela quantidades de crimes que ocorrem no local. “A região é linda e ao mesmo tempo deserta. Sabemos que no local já ocorreram outros assaltos e até um bandido foi morto por um policial durante um assalto a um ônibus. Por isso, optamos por gastar um pouco a mais, na tentativa de inibir um assalto”, esclarece Wilcler. 
 
Para o fotógrafo Marcelo Moryan, foi triste saber que os profissionais perderem os equipamentos. “Fotografar externamente virou um grande problema, por causa da violência que ficamos expostos. Triste em saber que esses profissionais perderam tudo em um local que fotografei há algumas semanas. Não foi um roubo daquele momento. Isso significa o roubo de todo um trabalho. 
Para cumprir a agenda, os fotógrafos que foram assaltados na última quarta-feira, ressaltaram que vão cumprir a agenda com os equipamentos reservas até conseguirem comprar os novos. Francisco Sales e Bruna Oliveira pedem para que os colegas de profissão que visualizarem equipamentos sendo vendidos, que acione a polícia, para que eles possam visualizar também e posteriormente reconhecer os produtos roubados. 
Deixe seu comentário