Na manhã da última quinta-feira (29), a Polícia Civil divulgou o resultado da operação “Faroeste Caboclo” que resultou na apreensão de 25.256 munições, 19 armas e oito presas pessoas presas, em flagrante. As ações aconteceram durante este mês nos municípios de Vitória, Cariacica, Serra, Viana, Colatina, Linhares e São Mateus.

Entre os materiais apreendidos estão 43 cartuchos de munições letais calibre 12, duas máquinas para recargar munição, 24 pontas de munição de fuzil calibre .556, duas pistolas do calibre 380 e 625 pontas de munição do mesmo calibre, 809 pontas de munição calibre 38, cinco espingardas , 12 revólveres, quatro carregadores de pistola calibre 380.

“Verificamos que 90% dos homicídios do Estado são cometidos por arma de fogo e que, nos últimos anos, os números de perfurações têm aumentado. Isso é um sinal de que houve um aumento na disponibilidade das munições. Por isso decidimos mapear o trajeto que essas munições e essas armas seguem ao entrar no Estado e identificar quem está abastecendo o mercado e contribuindo com a incidência da violência”, destacou o chefe de Polícia, delegado Joel Lyrio, durante a coletiva de imprensa que aconteceu na chefatura de Polícia, em Vitória.

Essa foi a primeira etapa da operação que contou com a parceria inédita do Exército Brasileiro e foi voltada, inicialmente, para os empresários e lojistas que vendem armas e munições.
Essa foi a primeira etapa da operação que contou com a parceria inédita do Exército Brasileiro e foi voltada, inicialmente, para os empresários e lojistas que vendem armas e munições.

O chefe de Polícia informou que entre os anos de 2011 até 2014 foram apreendidas no Estado cerca de 4700 armas, sendo 1600 somente neste ano. “Com a queda na oferta de armas e munições, acreditamos que a tendência é a redução dos homicídios”, disse.

O superintendente de Polícia Especializada delegado José Monteiro, explicou que essa foi a primeira etapa da operação que contou com a parceria inédita do Exército Brasileiro e foi voltada, inicialmente, para os empresários e lojistas que vendem armas e munições. “A operação teve a participação de representante do Exército Brasileiro, pois eles possuem a competência para fazer a fiscalização e muitas munições apreendidas não possuíam as respectivas notas fiscais”, explicou José Monteiro.

Joel Lyrio ressaltou que a segunda etapa dessa operação está sendo desenvolvida. “Para isso vamos contar com mais parceiros e esse trabalho envolverá a Polícia Federal. Essa fase terá apreensão e prisões de um número considerável de pessoas em outros Estados, é um trabalho que exige muita inteligência policial”, adiantou.

As operações

As ações aconteceram nos dias 05, 06, 12,14,21,27 e durante esta madrugada de quinta-feira (29) em diversos bairros dos municípios de Vitória, Cariacica, Serra, Viana, Colatina, Linhares e São Mateus.

apreensao PC2_jpg“Por meio da parceria exitosa com o Exército Brasileiro comprovamos que existiam munições e armas sendo vendidas ilegalmente em algumas lojas e, diante disso, começamos a apreensão dos materiais”, explicou chefe de Polícia, delegado Joel Lyrio.

Após essa etapa, os policiais descobriram quem comprava essas munições e as armas ilegais, o que levou a algumas pessoas conhecidas como “armeiros”- pessoa que dá manutenção em armas. “Foi feito um trabalho de campo que resultou na apreensão de mais munições de mais armas até que chegarmos aos armeiros e descobrirmos que a maioria deles estavam consertando ou vendendo armas e munições para traficantes”, informou o chefe de Polícia.

Além desses, algumas pessoas que faziam a recarga de munições também foram presas durante a operação. Os proprietários e lojistas que foram flagrados vendendo armas e munições de forma irregular foram autuados, pagaram fiança e vão responder ao processo em liberdade.

Deixe seu comentário