A cada 45 minutos um brasileiro tira a própria vida. Esse número já deveria ser suficiente para estimular as pessoas a se mobilizarem pela prevenção dessas mortes precoces, mas, apesar dos avanços, os tabus, preconceitos e vergonhas ainda são adversários nessa luta.

Durante todo o mês de setembro diversas ações serão vistas em todo o Brasil, em um movimento chamado de Setembro Amarelo, para chamar a atenção da população para esse problema, sendo 10 de Setembro o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

Campanha de prevenção do suicídio tem expectativa de alcance recorde

No Espírito Santo, para marcar a data, normalmente, vários monumentos e prédios ficam iluminados com a luz amarela durante o mês de setembro, a exemplo do Teatro da Ufes, em Vitória, a sede do CVV – avenida Alberto Torres, 153, Jucutuquara, Vitória –, entre outros locais. A Terceira Ponte terá iluminação especial no período de 15 a 30 de setembro.

Além disso, os voluntários do CVV participam de uma série de atividades, como palestras, seminários, distribuição de informativos, entre outras, em escolas, igrejas, shoppings, presídios, unidades de saúde, em vários locais do Estado.

Na Ufes, no dia 3 (terça-feira), às 9 horas, haverá o hasteamento da bandeira do Setembro Amarelo, em frente ao teatro universitário.  No dia 10, também no teatro, o Grupo de Trabalho de Prevenção do Suicídio do Espírito Santo promove o VII Seminário de Prevenção do Suicídio do Espírito Santo, das 8 às 18 horas.

Prevenção

“O suicídio é um assunto complexo, pois ninguém se mata por um único motivo, mas a prevenção é possível e algumas ações podem ser feitas por todas as pessoas”, comenta a voluntária e porta-voz do CVV, Leila Herédia. Segundo Leila, permitir que as pessoas desabafem e falem sobre seus sentimentos sem receber críticas é um meio de evitar que se busque na morte a solução para suas dores.

“A morte em si já é um tabu. Morte por suicídio é ainda mais complicado, pois toca em questões de escolhas, crenças e barreiras sociais”, explica a voluntária ao comentar os motivos da falta de divulgação e debate sobre o assunto.

Em junho deste ano o CVV lançou séries de vídeos para se prevenir o suicídio entre jovens e adolescentes, faixa etária em que mais cresceram os índices de suicídio no país. “É uma iniciativa para permitir que toda a população se engaje na causa e possa se capacitar para identificar sinais, pedir e oferecer ajuda”, afirma Leila.

Neste ano, diversos fatores levam a crer que o movimento Setembro Amarelo terá alcance recorde. A começar pelo fato de que o CVV chegou a 110 postos de atendimento em todo o país com mais de 3.000 voluntários em atuação. Segundo Leila, “os voluntários são a maior força do CVV. Eles possuem enorme capacidade de mobilização e de levar adiante a causa da prevenção do suicídio.”

Além disso, o CVV comenta que mais empresas, escolas e organizações já pediram materiais e informações para criarem suas próprias ações no Setembro Amarelo. “O movimento não é do CVV, mas o CVV é um dos seus mobilizadores desde o início. Quanto mais pessoas participarem das iniciativas, melhor para todos”, complementa Leila.

Exemplos de ações são a iluminação em amarelo de prédios e monumentos, caminhadas e passeios ciclísticos, palestras e rodas de debate, ações dentro de empresas e distribuição de balões amarelos.

Algumas ações serão compartilhadas nas mídias sociais do movimento (Facebook e Instagram) identificados como @setembroamarelo. Fotos e vídeos de iniciativas por todo o país podem ser enviadas para esses canais para estimularem mais pessoas a aderirem na causa.

Sobre o CVV

O CVV presta serviço voluntário e gratuito de prevenção do suicídio e apoio emocional para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. Os cerca de 3 milhões de atendimentos anuais são realizados por 3.000 voluntários em mais de 110 postos de atendimento pelo telefone 188 (sem custo de ligação), ou pelo www.cvv.org.br via chat, e-mail ou carta. A entidade realiza também ações presenciais, como palestras, Curso de Escutatória e grupos de apoio a sobreviventes do suicídio – GASS (https://www.cvv.org.br/cvv-comunidade/).

Sobre o suicídio

O suicídio é um problema de saúde pública que mata pelo menos um brasileiro a cada 45 minutos, mais do que a Aids e muitos tipos de câncer, porém pode ser prevenido em 9 de cada 10 casos. O movimento Setembro Amarelo, mês mundial de prevenção do suicídio, iniciado em 2015, visa sensibilizar e conscientizar a população sobre a questão – www.setembroamarelo.org.br

* Dados do Ministério da Saúde

Informações gerais – Suicídio

A cada ano, mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida  no mundo, o que corresponde a uma taxa de mortalidade de 16 por 100 mil habitantes, o mesmo que uma morte a cada 40 segundos, número que pode aumentar até 2020. (OMS, 2014)

Na faixa etária entre 15 e 29 anos, o suicídio é a segunda causa de morte. (OMS, 2014)

75% dos casos de suicídio no mundo ocorrem em países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento. (OMS, 2014)

90% dos casos podem ser prevenidos – 90% dos suicidas são portadores de transtornos mentais, muitas vezes não diagnosticados. (OMS)

No Brasil, a cada 45 minutos uma pessoa morre por suicídio (32 por dia). Ministério da Saúde, 2014.

O Brasil é o 8º país em números absolutos de suicídio no mundo. (OMS, 2014)

A taxa (Brasil) subiu de 5,3 para 100.000 habitantes no ano de 2000 para 5,8 em 2012 – aumento de 10,4%. (OMS, 2014)

Estudo realizado pelo IBGE, com coordenação da OMS, na região de Campinas, mostrou que ao longo da vida, 17,1% dos brasileiros “pensaram seriamente em pôr fim à vida”, 4.8% chegaram a elaborar um plano para tanto, e 2,8% efetivamente tentaram o suicídio. De cada três pessoas que tentaram o suicídio, apenas uma foi, logo depois, atendida em um pronto-socorro (Botega e cols., Rev. Bras. de Psiquiatria, 2005).

Doenças mentais em números

Depressão afeta 4,4% da população mundial – 322 milhões de pessoas. (OMS, 2017)

Depressão afeta 5,8% dos brasileiros (11,5 milhões de pessoas), sendo o país com maior prevalência da América Latina e quinto no mundo (atrás de EUA, Austrália, Estônia e Ucrânia). (OMS, 2017)

Estimativas da OMS indicam que a depressão será a 2ª causa mais incapacitante no mundo em 2020, somente atrás de doenças do coração. (OMS, 2016)

Transtorno de ansiedade afeta 3,6% da população mundial. (OMS, 2017)

Brasil é o país com maior prevalência de ansiedade no mundo, com 9,3% da população (18,6 milhões de pessoas). (OMS, 2017)

Setembro Amarelo

O CVV é um dos mobilizadores do Setembro Amarelo, mês mundial de prevenção do suicídio, desde seu lançamento em 2015.

Voluntários do CVV em todo o Brasil realizam ações públicas, além de iluminar ou sinalizar com amarelo monumentos e prédios públicos ou particulares.

Outras entidades apoiadoras: Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

O CVV lançou e mantém o site setembroamarelo.org.br.

O movimento visa sensibilizar e conscientizar a população sobre a problemática do suicídio e suas formas de prevenção. Principalmente, quebrar tabus.

Qualquer pessoa ou organização pode apoiar o Setembro Amarelo sem pedir autorização a ninguém e ter acesso ao material de divulgação gratuitamente no site www.setembroamarelo.org.br

CVV em números

Fundado em 1962 – uma das ONGs mais antigas do país.

110 postos de atendimento em 21 estados mais o DF.

Dois milhões de atendimentos anuais pelo telefone, e-mail, chat, Skype e pessoalmente.

Estados com maior procura: São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (nessa ordem).

3 mil voluntários em todo o país.

Associado ao Befrienders Worldwide (befrienders.org).

Foi convidado pelo Ministério para colaborar com a formulação da política nacional de prevenção do suicídio em 2005.

Mais informações

cvv.org.br

facebook.com/cvvoficial

instagram.com/cvvoficial/

twitter.com/CVVoficial

Deixe seu comentário