Há um mês do Carnaval, três escolas de Guarapari se recusam a desfilar na avenida Joaquim da Silva Lima. Os representantes da Juventude de Muquiçaba, Acadêmicos do JK e Imperatriz do Samba, protocolaram nesta sexta-feira (12), um documento para a Secretaria de Turismo, Empreendedorismo e Cultura (SETEC), se retirando do desfile do Carnaval 2018. As escolas não concordam com a forma que a prefeitura conduziu a preparação para a folia e decidiram protestar.

Acadêmicos do JK

As escolas não concordam com a forma que a prefeitura conduziu a preparação para a folia e decidiram protestar.

O presidente da Acadêmicos do JK, Jorge Luiz Azevedo, uma escola nasceu em 82, mas há 6 anos foi reativada, afirma que se retirar do Carnaval foi uma forma de protesto. “É um descaso com as entidades carnavalescas. Procuramos fazer o nosso melhor para a cidade. Um Carnaval já é programado logo após o outro. Fica inviável fazer um Carnaval em 30 dias”, comenta Jorge.

O presidente conta que não sabe ao certo qual valor receberia da prefeitura. “Eles dividiram as escolas em A, B e C. Destinaram R$ 45 mil para A, R$ 35 mil para B e R$30 mil para C. Sem nem ao menos nos deixar saber quem receberá o que, eu não sei em qual classe a minha escola estaria categorizada. Como trabalhar sem saber ao menos quanto será a verba? Nos baseamos na do ano passado, que foi R$35 mil, mas agora nem sabemos o quanto receberíamos“, disse Jorge.

Ainda segundo ele “Não é pelo dinheiro, é pela falta de respeito que nos retiramos do Carnaval. Até porque, já está quase tudo pronto, com o dinheiro do nosso bolso. Se o Carnaval fosse na semana que vem, teríamos condições de desfilar. Mas pela forma que foi feito, preferimos nos retirar”, afirmou o presidente da Acadêmicos do JK.

Juventude de Muquiçaba

A Juventude de Muquiçaba está desfilando no Carnaval de Guarapari desde 1983.

A Juventude de Muquiçaba está desfilando no Carnaval de Guarapari desde 1983. O presidente da escola, George Ribeiro Lyra, afirmou que não tem volta. A Juventude não vai desfilar no Carnaval 2018. “Tratam as escolas como mendigos atrás de esmola, é muita falta de respeito da prefeitura. Uma escola vai ganhar mais que a outra. No ano passado a verba foi a mesma para todas. Além disso a prefeitura não buscou um diálogo com as escolas durante o ano de 2017. Chegou na reunião impondo suas exigências”, relatou o presidente da Juventude de Muquiçaba.

Que conclui. “O Secretário quer profissionalizar as escolas. Ele disse que a tendência é que nos próximos Carnavais não seja usada verba da prefeitura. Ele quer que as escolas trabalhem o ano todo para fazer Carnaval de graça para a prefeitura, como se nós não tivéssemos o nossos empregos e contas para pagar”, diz George.

Imperatriz do Samba

Imperatriz do Samba desfila na cidade desde 2008

Quem respondeu pela Imperatriz do Samba, foi o 1º Secretário, já que o presidente está hoje trabalhando fora da cidade, e a vice esta em São Paulo, onde fazia compras para o Carnaval. A escola desfila na cidade desde 2008. Para Tiago Melo, o representante da escola, houve desrespeito por parte da Prefeitura.

“Eles tiveram um ano para se reunir com as escolas. Em dezembro, uma reunião com o secretário foi desmarcada com todos os diretores já aguardando na antessala da secretaria. Faltando um mês para o Carnaval, eles nos reúnem e nos impõe uma série de exigências, sem nem mesmo nos consultar. Classificaram as escolas em 3 categorias, cada uma receberá uma verba distinta. Isso é uma falta de respeito. Como faz um carnaval em cima da hora? Sem saber direito qual será a verba”, diz Thiago Mel

O 1º secretário da escola fala que quase metade do desfile da Imperatriz do Samba já estava pronto. “Temos 45% do Carnaval pronto. Vamos arcar com todo prejuízo. Só a roupa da madrinha de bateria custou R$ 5 mil. Já tínhamos samba enredo definido, estava tudo encaminhado. O que se der, vamos guardar para o ano que vem”, afirma.

Tiago fala ainda que a prefeitura precisa valorizar mais a cultura local. “ Precisa haver leis de incentivo, uma comissão municipal para fiscalizar a verba. Um projeto para o repasse dessa verba. Para não chegar em cima do Carnaval, e ter esses problemas”, diz Tiago.

Ofício das escolas informando que não vão desfilar no carnaval 2018.

O Portal 27, procurou a prefeitura para que ela se posicionasse sobre essa polêmica, que através de nota, informou o município informou que “A Secretaria Municipal de Turismo , Empreendedorismo e Cultura informa que o processo de organização do Carnaval 2018 está sendo realizado com seriedade e muito profissionalismo.Tudo tem sido feito para que a festa do carnaval aconteça de maneira organizada e traga apenas felicidade aos participantes. 

Durante a reunião, alguns participantes chegaram a solicitar o valor igual para todas as escolas e não aceitavam a presença da Liga na reunião, mas ao final, houve concordância entre os participantes e agora será preciso aguardar a finalização do processo licitatório. A Secretaria reitera que após a licitação, será feita uma comissão com os integrantes das escolas para distribuição dos recursos, tudo com realização de estudo de casos.

A Classificação das escolas segue uma série de critérios como: número de componentes, quantidade de carros alegóricos e alas, mestre sala e porta bandeira, entre outros”, afirmou a prefeitura.

Confirmadas. O Portal 27 também procurou os diretores das duas outras escolas de samba. A estreante Guarapari Imperial, e a mais antiga das escolas do município, a Mocidade Alegre de Olaria, que confirmaram seus desfiles no Carnaval 2018.

Comments are closed.