O condutor de veículo que está errado, tem mais é que ser multado mesmo, e sem dó. O sentimento de impunidade não pode prevalecer em detrimento da justiça. Jamais! A nítida impressão que temos é a de que, como organização social, somos um bando de meliantes e criminosos que nunca se cansam de se comportar contrários às regras de trânsito – e não somente – e que vivem às margens das leis que devem reger com harmonia a sociedade.

Algumas pessoas quando encontram uma viatura da polícia rodoviária federal, ou polícia de trânsito etc., em pleno exercício de direito de suas atividades profissionais, pensam que se acham no “dever” de avisar aos outros condutores, para que estes não sejam pegos em seus flagrantes delitos de crime de trânsito, e em seus crassos atos de desrespeito.

Foto: Assessoria de Comunicação/PMES
O sentimento de impunidade não pode prevalecer em detrimento da justiça.Foto: Assessoria de Comunicação/PMES

Nao podemos criar a falsa sensação de que somos obrigados avisar a quem quer que seja, de que precisam rapidamente colocar o cinto de segurança, parar de falar ao celular enquanto dirigem, conduzir o veículo dentro da velocidade limite estipulada pela via local etc., até que não sejam mais vistos, e então, poderem voltar a prática dessas más obras.

Ora, as autoridades constituídas são agentes de Deus, enviados, exatamente para punir os que não se submetem as leis que nos regem em todos os âmbitos sociais. Se alguém está errado, tem mais é que ser castigado com os rigores da lei. Isso serve para crédulo e incrédulo, rico ou pobre, alto ou baixo, homem ou mulher, preto ou branco, e quem desobedece a essas autoridades, desobedece ao próprio Deus. Governos humanos são ministros de Deus para manter ordem e castigar malfeitores. Plantou, colheu.

Tem gente que faz apologia declarada aos crimes de trânsito que anualmente grassam vidas sem parar ao querer informar aos infratores de que estão sendo vigiados. Em Guarapari não é diferente. Encerro com a oportuna palavra do Apóstolo Paulo, com respeito as leis e as autoridades.

“Todo homem esteja sujeito às autoridades superiores; porque não há autoridade que não proceda de Deus; e as autoridades que existem foram por ele instituídas. De modo que aquele que se opõe à autoridade resiste à ordenação de Deus; e os que resistem trarão sobre si mesmos condenação. Porque os magistrados não são para temor, quando se faz o bem, e sim quando se faz o mal. Queres tu não temer a autoridade? Faze o bem e terás louvor dela, visto que a autoridade é ministro de Deus para teu bem. Entretanto, se fizeres o mal, teme; porque não é sem motivo que ela traz a espada; pois é ministro de Deus, vingador, para castigar o que pratica o mal” (Romanos 13.1-4).

Temos o poder de termos um trânsito mais tranquilo e motoristas mais cônscios e educados a respeito de suas responsabilidades. Basta querer!

Comments are closed.