Quarenta músicos que fazem parte de um coral de Guarapari vão embarcar em uma turnê que vai rodar cinco países, para apresentar a música brasileira através do musical “Meu Brasil Brasileiro”. O grupo que faz parte da Companhia Musical Allegro, e é regido pelo maestro e produtor musical Inárley Carletti, tem apenas cinco anos e já começa a rodar o mundo.

O novo musical foi escolhido para representar o Brasil no Festival Cultural do Brasil em Viena, o “Brasilianisches Kulturfestival Wien”. A partir desse convite, o maestro conta que a apresentação foi expandida para outros países. Além da Áustria, o grupo vai se apresentar na Alemanha, Eslovênia, Suiça, e Itália.

Companhia Musical Allegro é regida pelo maestro e produtor musical Inárley Carletti. Foto: Felipe Vieira.

“Isso tudo é fruto de muita dedicação. Todo mérito meu, eu estendo a minha companhia musical. Acredito que seja apenas um início daquilo que plantamos. Nós não temos apoio financeiro fixo. Somos nós que pagamos alugueis, que vendemos cotas, fazemos jantares, para arrecadar o nosso dinheiro. E nos esforçamos dessa maneira, porque entendemos que o país, o estado, a cidade e, quem não valoriza a cultura, perde cada dia a sua identidade”, declara Inárley, que também é diretor da companhia.

Maestro há 20 anos, Inárley conta que a companhia surgiu para a realização de musicais em Guarapari. Mas a ideia foi crescendo e saiu de um público de 400, para mais de duas mil pessoas. “A ideia era levar a música clássica, pouco conhecida, através de musicais. Mesclamos instrumentos clássicos com a música popular, e assim nasceu a companhia musical, do clássico ao popular”, explica.

Companhia Musical Allegro reúne mulheres e homens de várias idades. Foto: Roberta Bourguignon.

Depois de apresentações com o tema das estações, surgiu a ideia de fazer o musical “Os Sonhos Mágicos”, que ganhou ainda mais o público.  Com a oportunidade de fazer um musical para representar o Brasil além das fronteiras, o grupo foi convidado, e Inárley revela que teve a ideia de criar o “Meu Brasil Brasileiro”, que conta a história da Bossa Nova e do Samba com uma nova roupagem, mas não fugindo as raízes.

“Foi através da mídia espontânea que o grupo foi escolhido para representar o festival . E através do festival, conseguimos expandir nossa apresentação para os outros países”, disse o maestro.  

*Com informações de Roberta Bourguignon, do Jornal A Tribuna