Como presidente da CPI do Transcol, o deputado estadual Edson Magalhães (DEM) tem uma grande tarefa pela frente. A comissão foi instalada no dia 02 de março e os trabalhos começaram no dia 11 de março deste ano com a primeira reunião. De acordo com o cronograma, a CPI tem 90 dias para apresentar o relatório final.

“Não estamos aqui para fazer acusação. Existe uma denúncia, nós vamos apurar. Evidentemente não vamos tratar somente desse assunto. Isso vai abrir margem para que possamos realmente tratar de outras questões, como a superlotação e buscar melhorias para o transporte”, esclareceu Edson Magalhães.

O deputado Edson Magalhães preside a CPI do Transcol. Foto: Web Ales
O deputado Edson Magalhães preside a CPI do Transcol. Foto: Web Ales

A CPI foi instaurada depois que o Ministério Público de Contas apresentou denúncia apontando 16 indicativos de irregularidades na licitação para prestação dos serviços de transporte público coletivo urbano municipal de Cariacica, Serra e Viana e intermunicipal da Região Metropolitana da Grande Vitória, que resultou nos contratos 8/2014 e 9/2014.

Na semana passada os procuradores da Assembleia terminaram de analisar os documentos apresentados à CPI. De acordo com Edson Magalhães, o relatório deve apontar irregularidades no último edital de licitação do Transcol. Durante a tarde de hoje a reportagem do Portal 27 tentou contato com o deputado para dar mais informações sobre as investigações da CPI, mas não obteve resposta.

*Com informações da Web Ales e jornal A Tribuna

Deixe seu comentário