Depois que o Ministério Público Eleitoral pediu a cassação do registro da candidatura de Edson Magalhães (PSDB) por suposto abuso de poder político/autoridade (reveja aqui), o atual prefeito de Guarapari pediu, através de sua assessoria, que a equipe do Portal 27 publicasse uma atualização de sua defesa sobre o caso.

Ministério Público Eleitoral pediu a cassação do registro da candidatura de Edson Magalhães

De acordo com o Ministério Público Eleitoral, Edson teria feito uso de servidores públicos em sua campanha, durante horário de expediente. Na nota enviada a nossa redação, o atual prefeito alegou que:

 “A defesa de Magalhães, ao ter acesso ao documento, esclareceu que os fatos narrados pelo Ministério Público Eleitoral não procedem, já que dois dos servidores estão de férias e o terceiro no dia, só trabalharia no turno da noite, como consta a escala de serviço”.

Ainda em outra parte da nota, Edson Magalhães afirmou que  “Todos os documentos que comprovam as férias de dois servidores e o horário de trabalho do terceiro, serão entregues ainda nesta semana, ao juiz eleitoral responsável pelo caso. Edson se mantém em dizer que mais uma vez foi alvo de um ataque político, arquitetado por adversários que não desejam a reeleição do mesmo”, cita a nota.

Confira abaixo a nota na integra.

“O Prefeito Edson Magalhães (PSDB) e candidato à reeleição em Guarapari, foi mais uma vez alvo de um ataque infundado da oposição que chegou até ao Ministério Público Eleitoral. No último sábado, 7, foi veiculado em um portal de notícias do município que ‘Edson cometeu abuso de poder político/autoridade ao fazer uso de servidores públicos em sua campanha, em horário de expediente’.

O então candidato, não havia sido notificado sobre tal processo, até a tarde desta segunda-feira, 9, por uma oficial de justiça. Deste então, o jurídico de Magalhães buscou saber informações da denúncia na íntegra, onde citava o nome de três servidores da Prefeitura.

Segundo a denúncia, eles estariam em uma caminhada com o atual prefeito no período da tarde, durante campanha eleitoral no dia 23 de Outubro. A defesa de Magalhães, ao ter acesso ao documento, esclareceu que os fatos narrados pelo Ministério Público Eleitoral não procedem, já que dois dos servidores estão de férias e o terceiro no dia, só trabalharia no turno da noite, como consta a escala de serviço.

Todos os documentos que comprovam as férias de dois servidores e o horário de trabalho do terceiro, serão entregues ainda nesta semana, ao juiz eleitoral responsável pelo caso. Edson se mantém em dizer que mais uma vez foi alvo de um ataque político, arquitetado por adversários que não desejam a reeleição do mesmo.

O candidato que lidera as pesquisas de intenção de votos, afirma que busca todos os dias fazer uma campanha transparente, verdadeira e comprometida com o eleitor. Reafirma que a população não merece entrar nesse jogo de política suja, baseada em mentiras e que atrapalham o processo democrático de uma eleição.

Ao contrário de candidatos envolvidos em escândalos de rachadinha, compra de votos, suborno de outros candidatos com dinheiro de partidos, Edson segue mostrando suas propostas, dialogando com as comunidades e trabalhado para Guarapari crescer ainda mais.”