Recebi uma ligação do meu amigo e colega Wilcler.

De cara levei a maior bronca:

– Pôxa Santoro, já falei um monte de vezes prá você me mandar um artigo para ser publicado no Portal 27! E você, nada! Diz que vai fazer e não faz; diz que vai mandar e não manda! Tenho visto suas postagens no facebook e bem que você poderia colaborar conosco! Vai fazer ou não vai?

Depois desse ultimato e esperar o meu amigo esfriar a cabeça – sou prudente e o meu amigo tem a mão pesada – acedi ao seu pedido e estou mandando alguma coisa. Eis o que segue:

 FALANDO SOBRE CIDADANIA

A palavra CIDADANIA é derivada de cidadão, que vem do latim Civita. Podemos defini-la como “um conjunto de direitos e liberdades políticas sociais e econômicas, já estabelecidos ou não pela legislação”.

 Cidadania hoje se resume a uma palavra: participação. A participação como indivíduo ou como um grupo organizado nas mais variadas áreas de atuação na sociedade, na esfera pública. Então cidadania para mim é sinônimo de participação, ou seja, de não omissão, indiferença etc., em relação ao exercício do poder.

sociedade1

No fundo a cidadania, pode ser definida em forma sintética como o estado pleno de autonomia, quer dizer, saber escolher, poder escolher e efetivar as escolhas. E isto no Estado moderno, na sociedade moderna, significa dizer um cidadão pleno, consciente e ativo dos seus direitos, dos direitos individuais e dos direitos coletivos. Então, como a gente vê, esse conceito é uma coisa totalmente escorregadia e de difícil precisão.

A luta pela cidadania está intimamente associada à construção de novas formas de regulação democrática de nossas sociedades. Cidadania e democracia são dimensões de um mesmo processo que aponta para a construção de capacidades na sociedade para que todos possam como já disse saber escolher, poder escolher e efetivar suas escolhas.

“Cidadania”: expressão em moda, e usada por todas as correntes de pensamento, deve ser conceituada levando-se em consideração o contexto social do qual se está falando, e com isto, a mesma adquire características próprias, que se diferenciam conforme o tempo, o lugar, e, sobretudo as condições sócio-econômicas existentes.

Bem, amigos. Esta é uma colocação para refletirmos sobre. Na verdade não nos basta saber sobre nossos direitos e deveres. TEMOS QUE PARTICIPAR!

Wilcler, você conseguiu o seu intento. SANTORO.

Deixe seu comentário