O Espírito Santo está na rota de cruzeiros da MSC, maior empresa do ramo no mundo. As negociações estão a cargo da Secretaria de Estado e Turismo (Setur), que projeta a chegada das embarcações para o próximo verão.

Em Guarapari, a proposta é que o píer seja construído no final da Praia do Morro.

De acordo com a Setur, a articulação para a volta de cruzeiros ao Espírito Santo começou em março do ano passado, com a Cruise Lines International Association (Clia Abremar), que iniciou a negociação. 

No caso da MSC, a empresa já visitou o Estado seis vezes, duas delas com o comandante de uma de suas embarcações, que veio conhecer as características técnicas para homologar as operações, informou a Setur.

A empresa vem estudando três possibilidades de atuação: em Vitória, Vila Velha ou Guarapari. Entre os navios da frota da MSC que navegam pelo litoral brasileiro está o Preciosa, com 18 andares e capacidade para 3 mil hospedes. A MSC está elaborando pareceres técnicos para garantir a segurança da operação e que serão encaminhados à Capitania dos Portos do Espírito Santo.

Para o jornal A Tribuna, o secretário José Sales disse que a importância da chegada dos cruzeiros aos portos capixabas pode ser estimada pelas projeções de gastos dos turistas que vierem ao Estado. “Turistas de cruzeiros marítimos que desembarcam permanecem cerca de um dia no destino, o que gera renda e demanda turística, aos lugares visitados”, afirmou o secretário.

“Quanto ao calado, as obras de dragagem da baía de Vitória terminam em outubro, mas a nova profundidade precisará passar pela medição, que chamamos de batimetria, e deve começar a receber navios maiores a partir de janeiro de 2018”, afirmou Rose Duarte, coordenadora de Comunicação da Companhia Docas do Espírito Santo. As informações são do jornal A Tribuna. 

Guarapari. A prefeitura de Guarapari disse que obteve uma certidão necessária e apresentou à Secretaria de Patrimônio da União – SPU e a Capitania dos Portos para análise. A secretaria municipal de Meio Ambiente já está com processo de licenciamento pronto, aguardando manifestação dos referidos órgãos para confecção da licença ambiental. A proposta é que o píer seja construído no final da Praia do Morro.