A cidade que atualmente conta com um pequeno aeroporto que não recebe voos comerciais, pode dar a volta por cima, com a mudança do aeroporto para Setiba. O campo de Guarapari ficará mais próximo da região metropolitana, tornando-se mais viável para ser uma opção ao terminal de Vitória. O objetivo principal da mudança é melhorar a organização do município e a mobilidade urbana, mas acaba se tornando uma opção para aperfeiçoar o desenvolvimento da cidade.

Aeroporto
A mudança do aeroporto para Setiba, visa melhorar a organização do município e a mobilidade urbana, e acaba se tornando uma opção para aperfeiçoar o desenvolvimento da cidade. Foto: Wilcler Lopes.

A ideia da mudança surgiu em uma das Audiências Públicas, realizada no município. “A ideia de se fazer um aeroporto em Setiba e desmobilizar o aeroporto dali, foi discutida em uma das audiências públicas realizadas no final de 2014”, conta Antônio Chalhub, responsável pela Secretaria Municipal de Planejamento Rural e Urbano.

Decreto de desapropriação. De acordo com Chalhub, o prefeito já providenciou um decreto para tornar uma área não edificante na região de Setiba no mês de dezembro, e já fez um decreto de desapropriação de área, para dar início aos estudos de transferência do aeroporto, e liberar o atual espaço para preparo da mobilidade urbana.

Aeroporto2
O espaço que funciona o atual aeroporto conta apenas com o pouso de pequenas aeronaves e aulas de voo. Foto: Wilcler Lopes.

Para o secretário, o aeroporto é um equipamento turístico importante se for usado de fato como aeroporto, e onde atualmente funciona, não ajuda o município a desenvolver. “Foi discutido a necessidade de buscarmos uma solução para o aeroporto existente, já que se trata de um aeroporto pequeno e que não funciona como deveria. O local conta apenas com o pouso de pequenas aeronaves e aulas de voo”, esclarece Challub.

Mobilidade Urbana. Fazer duas pistas, melhorar a entrada e saída da cidade pela região norte, são as primeiras análises feitas para aprimorar a mobilidade urbana. “Não adianta o município ficar com um espaço estrangulado, enquanto sofremos com a mobilidade urbana. Não temos avenida de entrada e saída para o norte do município, porque o aeroporto estrangula nossa passagem”, explica o secretário.

A obra ainda não tem previsão para inicio, mas o secretário esclarece que é preciso começar a colocar o assunto em lei, para futuramente ser edificado. “Dentro do PDM a área em Setiba já é considerada não edificante, e é definida como uma área aeroportuária. Isso já está definido em lei”, conclui Chalhub.

Deixe seu comentário