A Câmara de Vereadores de Guarapari aprovou na tarde de hoje (11), o projeto de lei complementar número 016/2014 que regula a realização de eventos na cidade. O projeto, que em seu texto original poderia criar entraves burocráticos para a realização de eventos religiosos  foi votado no plenário da câmara depois de quase três horas de argumentações.

P1000066
projeto foi votado no plenário da câmara depois de quase três horas de argumentações. Foto: João Thomazelli.

Um grupo de pastores e religiosos, que ontem (Confira aqui),se reuniram com vereadores para sugerir mudanças no projeto de lei, ficou insatisfeito com a forma como o projeto foi votado. “Infelizmente não podemos fazer nada. O projeto foi aprovado. Agora só nos resta recorrer a uma representação legal na Justiça. Nós elegemos nossos representantes, mas não temos direito de falar”, reclamou o presidente do Conselho de Pastores Evangélicos de Guarapari, pastor Antônio Carlos.

pastores
Pastores queriam mudanças no projeto de lei. eles ficaram insatisfeitos com a forma como o projeto foi votado. Foto: João Thomazelli.

A polêmica sobre a votação começou depois de o projeto ser apresentado para votação na tarde de hoje em regime de urgência.  Os pastores alegaram que não haviam tido tempo hábil para reverem as alterações e pediam o adiamento da votação. Apesar das garantias de diversos vereadores de que o novo texto do projeto de lei não iria trazer prejuízos para as entidades religiosas, muitos gritaram ao plenário para que fosse pedido vistas, para que a votação fosse adiada.

P1000075
“As entidades religiosas podem ficar despreocupadas”, explicou a vereadora Fernanda Mazzelli (PSD). Foto: João Thomazelli.

Mas como o pedido de votação em regime de urgência já havia sido aprovado, o projeto teve que ser votado. “Desde setembro esta pauta está na Câmara e com a proximidade do verão, vários eventos de grande porte terão que ser enquadrados na nova lei, por isso foi pedido urgência na votação. As entidades religiosas podem ficar despreocupadas que a alteração no projeto de lei diminuiu os entraves burocráticos que preocupavam os pastores”, explicou a vereadora Fernanda Mazzelli (PSD).

Mas mesmo com as garantias dos vereadores, muitos que estavam presentes na sessão, saíram indignados com a aprovação do projeto. O pastor Antônio Carlos chegou a rasgar uma cópia do projeto de lei. O pastor acrescentou ainda que os evangélicos não querem a isenção de taxas para realização de eventos. “O problema é a burocracia que vai ser gerada para se realizar qualquer evento de ordem religiosa no município”, finalizou o pastor.