A melhor notícia que um paciente de hospital pode receber é a de que vai receber alta após ter sido curado. No Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, na Serra, essa notícia foi dada a 4.352 pessoas entre abril de 2020 e maio de 2021. Os dados são referentes a todas as altas de pacientes internados em unidades Covid-19 do hospital.

Os números refletem a excelência do Hospital Jayme, que é referência para os casos graves e potencialmente graves do novo Coronavírus (Covid-19). A unidade pública capixaba é um dos maiores centros de tratamento da doença na América Latina.

Os dados são referentes a todas as altas de pacientes internados em unidades Covid-19 do hospital.

“É muito gratificante podermos dar essa notícia a mais de quatro mil pacientes. Isso demonstra a nossa preocupação com a sociedade e o empenho que nossas equipes têm em fornecer o melhor tratamento para cada pessoa internada. Somos um dos maiores centros de tratamento de Covid-19 na América Latina e estamos muito felizes com esse número de pessoas curadas”, destacou o diretor-geral do Hospital Estadual Dr. Jayme Santos Neves, Joubert Silva.

A fé como instrumento de recuperação de pacientes 

Por falar em cura, outra ação considerada fundamental para a recuperação dos pacientes é o apoio psicológico e espiritual fornecido pelo hospital.

Segundo o capelão do Jayme, Vanderlei Boldt, a fé é um fator primordial, tanto para quem está internado quanto para os familiares que aguardam, ansiosos, o dia da alta.

“Mesmo quando o estado de saúde é considerado muito grave, não podemos perder as esperanças. As famílias que nos procuram sempre pedem uma palavra de conforto e nosso papel é esse. Quando o paciente está sedado, sem poder receber visitas, temos que lembrar que Deus pode estar em todos os lugares. A medicação e o suporte espiritual resultam em uma ligação muito positiva. Lembro de um caso em que o paciente foi transferido para outro hospital, mas a família continuava vindo ao Jayme, pois sentia falta do acolhimento que era dado. O poder da oração é muito forte”, contou o capelão.