A redação do Portal 27 recebeu no começo da noite de hoje (11) a reclamação de moradores, denunciando que a UPA da cidade está lotada e teria uma imensa demora no atendimento. Eles diziam acreditar que estaria faltando médicos no atendimento.

“Tem muita gente, está lotado. Tem gente com vários tipos de problemas e já tem mais de uma hora que não chamam ninguém. Deve estar faltando médicos”, disse um dos reclamantes que nos enviou fotos e vídeos.

Fotos foram enviadas para nossa redação.

Outro paciente reclamou que presenciou um idoso que estava desde as 13 horas sem atendimento e de um outro jovem que aguarda uma ambulância para ser encaminhado para Vitória.

O Portal 27 entrou em contato com a prefeitura para relatar o problema. A assessoria nos respondeu através de nota dizendo que  informação não procedia e dando as seguintes explicações:

“A informação é improcedente.

A diretoria da Unidade de Pronto Atendimento – UPA esclarece que a unidade está operando dentro das suas normalidades, com equipe completa, com 3 médicos de plantão. Ou seja, não houve falta de profissionais médicos.

O tempo de espera varia de acordo com a classificação de risco.

Classificação de Risco

Ao chegarem na UPA, os pacientes passam por triagem (Classificação de Manchester – protocolo de classificação de risco de urgência/emergência, do Ministério da Saúde) realizado pelo profissional enfermeiro, baseado nos sintomas que representam o grau de gravidade e o tempo de espera recomendado para atendimento. Veja:

VERMELHO (Emergência) – Caso gravíssimo. Será atendido imediatamente pois há risco de morte.

LARANJA (Muito Urgente) – Caso grave. Deverá ser atendido pelo médico em até 10 minutos.

AMARELO (Urgente) – Caso de gravidade moderada. Pode aguardar até 60 minutos para ser atendido pelo médico.

VERDE (Pouco Urgente) – Caso sem gravidade. Pode aguardar até 120 minutos para ser atendido pelo médico, sem risco à sua condição clínica.

AZUL (Não Urgente) – Caso sem gravidade. Pode aguardar até 240 minutos para ser atendido pelo médico.

Ainda, por conta de novas intercorrências e dependendo do quadro clínico, atendimentos não urgentes podem gerar aumento da espera.”