Conforme foi divulgado pelo Portal 27 no começo de setembro (reveja aqui), o PMDB de Guarapari está no centro da discussão política da cidade. Depois da divulgação  que existia uma aproximação entre o prefeito Orly Gomes (DEM) e o presidente do PMDB de Guarapari, Marcos Borges (PMDB) – o que mexia significativamente no tabuleiro eleitoral da cidade,- o grupo político do deputado Edson Magalhães (DEM) contra atacou.

De acordo com várias fontes do mundo político, a informação é que Edson trava uma luta  de bastidores com Marquinhos Borges pelo controle do PMDB. O deputado tem se movimentado junto a direção estadual da sigla para assumir o controle do partido no município.

edson magalhaes
Deputado trava uma luta de bastidores com Marquinhos Borges pelo controle do PMDB.

A pressão sobre Marquinhos, por quem Edson não tem simpatia, tem sido forte. Edson espera sair em paz do DEM, para não perder o mandato de deputado, se filiar ao PMDB e disputar a prefeitura de Guarapari pelo partido do governador Paulo Hartung.

Borges. Procuramos Marcos Borges para apurar e saber se procede a informação. “Não posso confirmar ou negar informações que você apurou junto as suas fontes”, disse o sempre educado Marquinhos.

Segundo ele, debates políticos são normais e fazem parte da democracia. “Eu sou um democrata, tenho 39 anos de PMDB. Fui educado pela minha mãe e meu pai, em respeitar para ser respeitado pelas pessoas. A minha formação política é de fidelidade partidária e de conversar com todos”, disse.

Marco Borges
Segundo Marco, debates políticos são normais e fazem parte da democracia.

Ainda de acordo com Marquinhos, não existe portas fechadas no PMDB para ninguém. “Não posso deixar de conversar com ninguém. Não existe discussão individual. Eu discuto projetos para a cidade. No momento estamos em busca de filiados manter nossa posição na Câmara, pois o PMDB sempre fez vereadores”, afirmou.

Marco também negou os boatos que iria assumir secretaria na gestão de Orly. “Fui nomeado em menos de três meses, em várias secretarias. Só falta receber o salário”, disse em tom de brincadeira sobre os boatos com seu nome.

Sobre a pressão que Edson estaria fazendo para entrar no PMDB, Marcos disse que não existiria necessidade disso. “Qualquer pessoa pode entrar no partido. Basta assinar a ficha, sentar à mesa e discutir projetos para a coletividade. Sou do diálogo e entendo que não precisa existir isso. Vamos escolher o que é melhor para o partido, para coletividade e para a Guarapari”, falou.

Perguntado se existem problemas particulares com Edson, Marco Borges diz que não. “Não tem nada disso. Não estamos aqui para discutir vaidades pessoais. Basta sentar e conversar com o partido. Estamos à disposição, sem problema algum. Se quiser se filiar ao partido, também não tem problema. Basta vir e assinar a ficha”, finalizou.

Deixe seu comentário