Uma notícia falsa, ou seja, uma Fake News, acabou levando uma mulher a morte em Anchieta. Ana Lúcia Cardoso, 47 anos, sofreu um infarto e acabou morrendo no chão da sala onde morava, após receber a notícia de que um ataque terrorista teria acontecido na escola onde o filho de 16 anos dela estuda.

Sangue. No texto espalhado pelas redes sociais, dizia que os alunos da Escola Estadual Coronel Gomes de Oliveira iriam morrer se houvesse aula. “Se fizer o nosso combinado irá sobreviver. Mas é o seguinte, se houver aula irá morrer gente, e se houver e você não for, iremos te caçar e já sabe… Nosso objetivo é destruir o prédio, mas se forem alunos, irá ter sangue ”, dizia o recado.

Ana Lúcia Cardoso, 47 anos, não resistiu e veio a óbito.

O fato aconteceu no bairro Limeira, interior de Anchieta, Sul do Estado. Vizinha e parente da família, a estudante de enfermagem Fernanda Casale, 35, contou a imprensa, que tentava acalmar a mulher após conseguir falar com o filho dela, quando ela passou mal e em minutos veio a óbito, na frente dela.

“Ela ficou sabendo sobre o ataque a escola no posto de saúde, que fica perto da nossa casa. Ela passou na casa de uma vizinha para contar sobre sua preocupação, já que o filho da vizinha também estuda na mesma escola. Ao chegar em casa, me gritaram que ela estava passando mal e eu fui para lá. Consegui falar no telefone com o filho dela, e ele disse que estava tudo certo, e que a informação não passava de um boato”, conta Fernanda.

Caiu. Ela ainda afirmou que a mulher aparentemente estava recuperada do susto. “Ela parecia ter se acalmado. Ela estava sentada no sofá. Estávamos nos despedindo dela. Quando ela ia se levantar, foi caindo no chão já agonizando. Como tenho conhecimento dos primeiros atendimentos, virei ela de lado e busquei fazer massagem, mas nada parecia adiantar”.

Outros familiares da mulher foram até o posto de saúde buscar ajuda, os enfermeiros também ajudaram a prestar os primeiros socorros. O Samu foi acionado, mas antes mesmo da chegada do resgate, Fernanda disse que ela veio a óbito.

“Vimos que faltou a respiração e logo em seguida ela faleceu. O Samu chegou e constatou o óbito”, disse a estudante de enfermagem, explicando ainda que foi constado que a mulher sofreu um infarto.

Consequências. Para a família, é lamentável um boato causar a morte de uma pessoa. “As pessoas não sabem as consequências que uma informação criada e compartilhada pode gerar. É lamentável. A vida dela não vai voltar. Uma palavra maldita pode ocasionar uma morte, como aconteceu”, finalizou ela. Ana Lúcia Cardoso foi enterrada na manhã de hoje em Anchieta.

A Polícia Civil já acionou os alunos que compartilharam o texto em suas redes sociais, e declarou que vai investigar até encontrar o responsável pelo texto. A Sedu informou que as aulas na escola não serão suspensas.

Deixe seu comentário