Cemitério das Almas Perdidas é o nome da nova produção de Rodrigo Aragão. O longa-metragem foi escolhido como o filme de abertura da 10ª edição do Festival Cinefantasy (festival de cinema fantástico de São Paulo) e terá exibição on-line pela plataforma Belas Artes À La Carte, no dia 7 de setembro.

O longa-metragem abrirá o Festival de Cinema Fantástico de São Paulo

De acordo com o cineasta, na abertura do festival haverá também uma retrospectiva de seu trabalho. “Vai acontecer uma homenagem, uma retrospectiva do meu trabalho, então vão ser exibidos os seis longas que eu fiz”, afirmou.

O filme com roteiro e direção de Rodrigo Aragão conta a história de um grupo de jesuítas e bandeirantes que trazem o livro de São Cipriano para o Brasil e acabam recebendo uma maldição, ficando aprisionados dentro do cemitério por muitos séculos.

O livro de São Cipriano é uma das referências mais usadas por Rodrigo Aragão em seus longa-metragens. A obra, que traz feitiços, simpatias e rituais exorcistas, virou lenda urbana no Brasil e é apontada como origem de maldições surgidas no mundo.

Com um orçamento de R$2,1 milhões, O Cemitério das Almas Perdidas é o primeiro grande épico de Aragão, além de ser um dos filmes mais caros já produzidos no Espírito Santo, mais precisamente em Guarapari. “É o primeiro filme para o qual eu ganhei o edital de produção audiovisual da Secult, Secretaria de Cultura do Estado e é o primeiro filme capixaba a ganhar financiamento da Agência Nacional do Cinema (Ancine), por meio do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA)”.

De acordo com o cineasta, foram longos anos de trabalho. “Esse filme tomou cinco anos de trabalho, sendo dois anos de elaboração de projeto e três anos entre pré-produção, produção e pós-produção”, afirmou.

Foto: divulgação

Para a produção foram criados diversos cenários em estúdio, maquetes, efeitos especiais e Rodrigo contou com a câmera Alexa, muito utilizada nas principais produções de Hollywood. Segundo o cineasta, O Cemitério das Almas Perdidas movimentou a economia de Guarapari. “O filme gerou em torno de duzentos empregos diretos e mais de quatrocentos empregos indiretos, movimentou economia na cidade, tento de materiais de construção, aluguel, restaurantes”, afirmou Aragão.

O Cemitério das Almas Malditas buscou privilegiar artistas locais, segundo Rodrigo. “Esse foi o filme que teve uma grande quantidade de cenário. Para formar a equipe, a produtora ofereceu vários cursos gratuitos, cursos de interpretação, cursos de cenografia, cursos de maquiagem e selecionamos alguns desses alunos para trabalhar no filme e também usamos alguns profissionais já conhecidos no mercado capixaba. Como foi o caso da figurinista Regina Smith que fez um extenso trabalho de pesquisa e produziu mais de duzentos figurinos por esse filme”, afirmou.

Foto: divulgação

Com a produção, Rodrigo pretende atingir não somente os amantes do terror. “O filme é destinado a todo tipo de público todo tipo de público é um filme fantástico, extremamente regional, mas ele tem um padrão de qualidade internacional, então eu espero que seja bem visto tanto no Brasil, quanto fora do Brasil”.

Com a produção, Rodrigo pretende atingir não somente os amantes do terror.Foto: divulgação

Quando perguntamos ao cineasta qual filme mais marcou sua carreira, ele firmou que cada experiência é diferente e única. “Todos os filmes são trabalhos muito difíceis e têm que ser feitos com muito amor. Então todos me marcaram bastante”, afirmou.

Sem data prevista para lançamento nas grandes telas do Brasil, em função da pandemia, O Cemitério das Almas Perdidas deve fazer um circuito de festivais ainda neste ano e no início do ano que vem. “Meus filmes sempre rodaram bastante, eu acho que eles são muito mais vistos fora do Brasil, meus filmes anteriores já foram exibidos mais de cem países, em mais de cento e cinquenta festivais pelo mundo e também são bem comercializados na América do Norte, Europa e Ásia. Então, com certeza é bem provável de O Cemitério ser mais visto fora do Brasil do que aqui dentro”, afirmou Rodrigo.

O Cemitério das Almas Perdidas será exibido dia 6 no Cine Drive-In, montado no memorial da América Latina e no dia 07 vai ficar por poucas horas na plataforma Belas Artes À La Carte. Mais informações no site oficial do Cinefantasy.