Após ser presa em flagrante junto com mais duas pessoas após a entrega de um diploma de assistente de sala na tarde de terça-feira (13), a secretária municipal de educação Isabel Fernanda Scherrer Rocha, o marido dela, o administrador da empresa Carlos Antônio M. Castro e a funcionária Ricarda dos Santos Souza, precisam desembolsar quase R$270 mil para sair em liberdade.

Os três foram detidos na tarde de terça-feira. Eles foram autuados por falsidade ideológica e associação criminosa, e foram encaminhados no mesmo dia aos presídios.

Isabel Fernanda Scherrer Rocha

Sem condições. A juíza da Comarca de Piúma, Serenuza Marques Chamon, arbitrou fiança no valor de 90 salários mínimos para liberar os envolvidos no caso da venda de diplomas falsos na Cidade das Conchas.  Segundo o advogado que defende os três, José Peres Araújo, o valor é muito alto, e nenhum deles teria condições de arcar com as despesas.

“O valor da fiança é ilegal e abusivo. Vou entrar com um habeas corpus no Tribunal de Justiça amanhã (hoje), com o objetivo de conseguirmos reduzir esse valor. 90 salários mínimos para cada um é muito dinheiro. Eles não possuem uma renda tão alta assim”, disse Peres.

Pequena. O advogado relatou que o instituto de pesquisa e cursos educacionais administrado por Carlos e Isabel, só possui uma funcionária, a Rogéria, o que comprova, segundo o magistrado, que não se trata de uma empresa grande e com grandes lucros.

Peres expôs que a secretária tem o maior salário, e recebe cerca de R$ 7 mil bruto por mês. A secretária recebe R$ 1 mil da empresa, e o Carlos tem R$ 2 mil de lucro do instituto também. “A justiça precisa entender que essas pessoas não têm alto poder aquisitivo e não vão conseguir pagar essa fiança”, completa ela.

O delegado responsável pelo caso, David Santana Gomes, esclarece que a polícia já vinha recebendo denúncias sobre o caso de diplomas falsos. E somente com o flagrante, conseguiu identificar os responsáveis. O diploma era vendido por R$ 150, e os alunos recebiam os diplomas, sem comparecer aos cursos.

*com informações de A Tribuna

Deixe seu comentário