E ela deu à luz o seu primogênito. Envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria

Alguns dias atrás, no meio de toda a indignação provocada pelas mortes dos bebês no Hospital S. Judas, escrevi um artigo. E hoje, lendo a Bíblia, encontrei esse texto: “e ela deu à luz o seu primogênito. Envolveu-o em panos e o colocou numa manjedoura, porque não havia lugar para eles na hospedaria”. (Lucas 2:7 NVI). Aquele, que hoje reconhecemos como Senhor e Cristo enfrentou adversidades até mesmo no seu nascimento e na sua primeira infância. Aos dois anos já era procurado pelo governo da época para ser eliminado. De lá para cá se passaram 2013 anos e parece que voltamos aos mesmos “lugares”:

– Mulheres sem um local adequado para dar a luz.

– Bebês morrendo.

– Crianças: vitimas de abusos sexuais, físico e emocional.

Segundo o site www.observatoriodorecife.org.br o Brasil está em 4° lugar numa lista de 99 países em morte violenta de crianças:

“As estatísticas das últimas três décadas apontam que neste período foram registradas as mortes de 608.492 crianças e adolescentes por razões de violências e acidentes, entre as quais 176.043 foram tipificadas como homicídio.”  Será que é possível termos compreensão do que estamos vivendo?

No mesmo site encontramos que de acordo com o Mapa da Violência dados de 2011 mostram que “7.155 jovens foram vítimas de estupro entre 10,4 mil casos de violência sexual. De acordo com as apurações a maioria dos crimes foram praticados por pessoas ou instituições que deveriam zelar pela vida e integridade desses jovens, os próprios pais (além de padrastos) e conhecidos próximos”. Esses são dados conhecidos e aqueles que não chegam a serem reportados as autoridades competentes?

reducao maioridade penal

E é este mesmo País, onde alguns tem levantado a bandeira da redução da maioridade penal. Isso é uma grande hipocrisia! Segundo a Anistia Internacional no Brasil vivemos uma “epidemia da indiferença.

E é este mesmo País, onde alguns tem levantado a bandeira da redução da maioridade penal. Isso é uma grande hipocrisia! Segundo a Anistia Internacional no Brasil vivemos uma “epidemia da indiferença”. Mudar esse quadro não é tarefa de alguns poucos, mas sim de uma mobilização da sociedade organizada e civil, instituições e família.

Jesus sobreviveu ao infanticídio! Eu creio que nossas crianças e adolescentes também podem sobreviver! Cabe a nós plantarmos a semente de um novo futuro para as próximas gerações!

Deixe seu comentário