Em entrevista a Agencia Congresso, o deputado federal Jair ‘Bolsonaro (PP/RJ), afirmou que emendas ao Orçamento da União aprovadas pela CDH, garantem funcionamentos de ONGs ligadas ao PT e que bancam “Paradas gays” pelo país.

Ele explica ainda que com a permanência do deputado pastor Marcos Feliciano (PSC/ SP), a comissão deixará de destinar milhões de reais à causa gay. Outra polêmica em torno da CDH, segundo Bolsonaro, é o caso dos evangélicos (alvos de preconceito, devido à pressão popular que quer a saída do pastor). Abaixo você confere a entrevista que o deputado deu a Agencia Congresso.

Bolsonaro afirma que emendas ao Orçamento da União aprovadas pela CDH, garantem funcionamentos de ONGs ligadas ao PT.
Bolsonaro afirma que emendas ao Orçamento da União aprovadas pela CDH, garantem funcionamentos de ONGs ligadas ao PT.

Confira a entrevista: 

O senhor tem criticado o PT. Ele é culpado pelo caos na Comissão de Direitos Humanos?

A desordem reinava naquela comissão, como por exemplo, no ano passado, foi realizado um seminário LGBT infantil, só pelo chamamento, então, uma coisa absurda. Então, desordem era plantada pela comissão junto às famílias. O caos eram eles.

Como avalia os trabalhos da Comissão da Verdade?

A presidente Dilma Rousseff indicou sete integrantes, entre eles, três advogados, um foi advogado dela no passado. E eu te pergunto: o advogado tem compromisso com a verdade ou com o cliente? Ao indicar sete ela demonstrou que tem medo da verdade, ou seja, não tem uma voz destoante nessa comissão. E ela vai fazer um relatório que ajude na sua biografia, que no meu entender, não merece atenção do povo brasileiro.

O PP não apoia o governo Dilma?

O PP é uma coisa, revolucionário é outra. não apoiei o governo FHC e não apoio o governo Dilma, muito menos o Lula. Quando era a oposição ao PP, eles não votavam comigo, hoje quem vota comigo é o PSDB.

No ES o PP apoia a reeleição de Renato Casagrande. O sr. também apoia?

Eu não entro na discussão regional. Meu negócio é no Rio.

"A farra gay acabou naquela comissão".
“A farra gay acabou naquela comissão”.

Não teme ser processado por falta de decoro ao xingar petistas na Comissão de Direitos Humanos?

Eu não estou xingando ninguém. Falar a verdade para eles é um xingamento. Eu tenho imunidade para falar e não para roubar e se meter em Mensalão.

É verdade que o senhor foi contra a PEC das Doméstica? Por quê?

Eu fui o único voto contrário à PEC das Domésticas. E expliquei o porquê e estamos vendo a resposta. As que não estão sendo demitidas acabam tendo o salário renegociado para menos. Para que o patrão possa pagar os impostos trabalhistas, por uma ocasião, de uma possível demissão.

O partido do senhor vai apoiar a reeleição de Dilma? O que acha das possíveis candidaturas de Eduardo Campos, Aécio Neves e Marina Silva?

Eu vou por exclusão. PT jamais e tenho argumentos para isso. Eu só apoiaria, tanto o Eduardo como o Aécio, se conversarem comigo antes. Pra eu ter certeza que vão fechar um compromisso com as forças armadas.

Como o sr. acha que vai acabar esse impasse na Comissão de Direitos Humanos? O Marcos Feliciano permanece?

Depende exclusivamente dele (Feliciano). O que está em jogo além da causa sobre LGBT que a comissão se prestava especialmente a isto, são dezenas de milhões de reais em emendas ao Orçamento da União. A comissão vai deixar de destinar à causa gay e a uma outra causa, que é bastante complexa, a do quilombola, na faixa de centenas de milhões de reais. Por isso que ex-membros da comissão estão gritando, eles perderam muito dinheiro.

Então por trás desse movimento contra o pastor tem uma questão financeira?

Sem dúvida. É uma comissão completamente desprezível, que ninguém dá bola para ela, a própria opinião pública, eu sempre disse que os direitos humanos do Brasil… defende os bandidos que está do lado oposto da lei, com o Feliciano lá, com a maioria que ele tem, entre eles eu, essas questões não serão mais tratadas naquela comissão. Nós estamos buscando pessoas que precisam de proteção, de política de direitos humanos e de recursos para que essas minorias sejam atendidas e não só a minoria gay. A farra gay acabou naquela comissão.

Fonte: AGENCIA CONGRESSO

Deixe seu comentário