A presença constante de cavalos soltos nos arredores da Rodovia ES 060, próximo a entrada do bairro Lameirão, vem sendo motivo de preocupação para moradores de Guarapari que passam pelo trecho. Eles alegam que é comum avistarem esses animais atravessando a pista e receiam que graves acidentes possam acontecer no local, deixando vítimas fatais.

Os cavalos são vistos diariamente na rodovia. Foto: Marcus Ely Vailante/Colaborador

O morador do bairro Meaípe Marcus Ely Vailante, que utiliza a rodovia de segunda a sexta-feira de manhã cedo e à noite, afirma que o local oferece perigo para quem trafega por ali, principalmente à noite, já que o trecho não tem iluminação. Para ele, é necessário que providências definitivas sejam tomadas, de forma mais organizada, como a tentativa de identificação dos donos desses animais, para que eles sejam punidos e não possam pegá-los de volta, ou até adquirir outros.

Marcus também defende um horário de plantão para que a equipe do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) recolha os cavalos, que estão sempre naquele local entre 6h e 7h e após às 18h, horários em que o tempo está mais fresco. “Quando os funcionários do CCZ chegam para retirar os cavalos, eles já não estão mais por ali, pois quando a temperatura começa a subir eles saem de lá ou são levados por seus donos”.

Local oferece perigo para quem trafega por ali, principalmente à noite. Foto: Marcus Ely Vailante/Colaborador

Na tentativa de alertar seus amigos em uma rede social, Marcus faz postagens recorrentes para avisar sobre a presença dos animais na região. Ele sempre informa sobre a situação no local e acrescenta fotos, para deixar as pessoas cientes e tentar evitar qualquer acidente. “A vítima pode ser você ou alguém que você ama ou conhece”, escreve ele em um dos textos.

O motorista de transporte escolar Rogério Capistrano, o Aratu, conta que durante os 21 anos na profissão sempre levou alunos da região de Meaípe com destino ao Centro e diariamente os animais estão por ali. “Já presenciei alguns acidentes no local. Ontem mesmo eu tive que parar o veículo para um cavalo atravessar. Esses dias também vi seis deles atravessando a pista. É um perigo constante”, afirma.

Outro lado

Em nota, a Prefeitura de Guarapari informou que “a equipe do Centro de Controle de Zoonoses tem realizado diariamente vistorias neste local. Estamos alternando os nossos horários, a fim de resolvermos este problema. Estamos também providenciando placas com números de plantão, para que a população nos acione quando avistar animais na pista”.

O órgão ainda reitera que a Legislação Municipal nº 2121/01 diz que o animal ficará à disposição do proprietário por sete dias para retirada. Passado este prazo, o mesmo pertence ao município, podendo ser doado para instituição que tenha convênio com a prefeitura. “Nós encaminhamos estes animais para a Associação dos Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) de Colatina, que tem esse convênio”.

Em nota, a Prefeitura de Guarapari informou que “a equipe do Centro de Controle de Zoonoses tem realizado diariamente vistorias neste local.”. Foto: Marcus Ely Vailante/Colaborador

A prefeitura também disse que são recolhidos, em média, 15 a 20 animais por mês e que a população pode realizar denúncias através dos telefones: (27) 3262-1456 / 3262-1271 / 08002839543. O horário de atendimento é das 7h às 16h, de segunda a sexta-feira. O telefone do plantão 24 horas é (27) 9 9614-3869.

“Ainda, a Secretaria de Fiscalização em conjunto com a Secretaria de Meio Ambiente estão intensificando as ações fiscalizatórias no local para identificação dos proprietários dos animais, uma vez que é proibida a criação de cavalos em perímetro urbano”, finaliza.

Sobre a iluminação no trecho, a EDP Espírito Santo afirma que “a iluminação pública é de responsabilidade da prefeitura municipal, seja a instalação de luminárias e lâmpadas, bem como a manutenção e expansão do sistema, conforme determinação da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL)”.

A prefeitura esclarece que “o setor de Iluminação Pública da Companhia de Desenvolvimento e Melhoramento Urbano de Guarapari (Codeg) informa que a manutenção na região, por parte da Codeg, é constante, mas o local é um espaço aberto e a rede, pertencente a EDP, sofre muito com a ação do tempo (maresia). A EDP elaborou um projeto de reforma de toda rede e esse projeto já deve começar a ser realizado pela empresa nos próximos dias”.

Comments are closed.