Outro dia falava ao telefone com um amigo jornalista. Eu e ele divagávamos sobre o mundo político de Guarapari neste ano de 2013.  Já havíamos falado sobre a nuvem negra que pairou na cidade, tanto no executivo quanto no legislativo.  Mas nesta crônica, não vou entrar em detalhes, nos pormenores, com nomes ou  datas. 

Vou deixar o leitor, lembrar-se de bebês morrendo em hospitais, carros voando e capotando na ponte, pessoas  (na sua maioria jovens) morrendo em mortes inacreditáveis, escunas quase matando vários turistas, entre vários outros acontecimentos “estranhos” em nossa cidade, peço atenção em um pequeno texto, do qual esse meu amigo jornalista lembrou em nossa conversa.

Gostaria que vocês fizessem uma análise baseada em um pequeno texto bíblico que segue abaixo:

jonas

A História do Profeta Jonas

JONAS NÃO QUER OBEDECER A DEUS

Jonas profetizou no reino de Israel depois da morte de Eliseu. O Senhor disse-lhe: “Vai pregar à grande cidade de Nínive porque a sua maldade chegou ao extremo”.

Jonas tentou fugir do Senhor. Chegou a Jope e encontrou um navio que partia para Társis. Pagou a passagem e embarcou.

JONAS É LANÇADO AO MAR

Deus permitiu que uma forte tempestade pusesse o navio em perigo de se fazer em pedaços. Os marinheiros tiveram medo e cada um invocava o seu deus. Entretanto, Jonas, deitado no porão, dormia profundamente. O capitão despertou-o e disse-lhe: “Como podes dormir? Levanta-te e invoca o teu Deus para que não pereçamos”. Em seguida, lançaram sortes para saberem qual deles era o responsável por aquela desgraça. A sorte caiu em Jonas, que disse: “Sei que foi por minha causa que nos sobreveio esta tempestade!”.

4

Os marinheiros fizeram os maiores esforços para alcançar a terra, mas foi em vão. Então, invocando o Senhor, disseram: “Senhor, não nos deixeis morrer por causa deste homem”. E atiraram Jonas ao mar. No mesmo instante, o mar serenou. O Senhor mandou um enorme peixe, que engoliu Jonas. Jonas esteve no ventre do peixe durante três dias e três noites e pedia ao Senhor seu Deus que o salvasse. O Senhor mandou então ao peixe que o vomitasse na praia.

Quem é o nosso Jonas?

Então amigos, baseado nesta história, onde um homem teima em obedecer a Deus, eu e esse meu amigo, fizemos um paralelo espiritual, de total liberdade, com a nossa cidade.  Haveria nela, alguém que desobedeceu às ordens de Deus e está no lugar errado e na hora errada? Quem seria o nosso Jonas?

Antes que venham dizer que estamos sendo Cristãos Chatos, religiosos fundamentalistas, ou qualquer coisa parecida, explico que essa é apenas uma *crônica. Uma crônica para pensar, refletir, levantar questões, espiritualmente ou não. Pois os fatos existem. No fundo queremos apenas para chamar atenção sobre os rumos políticos de nossa cidade.

*crônica

A crônica é uma forma textual no estilo de narração que tem por base fatos que acontecem em nosso cotidiano. Por este motivo, é uma leitura agradável, pois o leitor interage com os acontecimentos e por muitas vezes se identifica com as ações tomadas pelas personagens.

Você já deve ter lido algumas crônicas, pois estão presentes em jornais, revistas e livros. Além do mais, é uma leitura que nos envolve, uma vez que utiliza a primeira pessoa e aproxima o autor de quem lê. Como se estivessem em uma conversa informal, o cronista tende a dialogar sobre fatos até mesmo íntimos com o leitor.

O texto é curto e de linguagem simples, o que o torna ainda mais próximo de todo tipo de leitor e de praticamente todas as faixas etárias. A sátira, a ironia, o uso da linguagem coloquial demonstrada na fala das personagens, a exposição dos sentimentos e a reflexão sobre o que se passa estão presentes nas crônicas.

Fonte: Brasil Escola

Deixe seu comentário