O Espírito Santo iniciou nesta semana a realização do exame RT-PCR, que detecta a presença do zika vírus no organismo. O exame, até então realizado na Fiocruz, no Rio de Janeiro, em cotas de 30 por semana, está sendo feito no Laboratório Central (Lacen) da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), em Vitória.

Com isso, o número de amostras analisadas aumentará de 30 para 100 por semana, e o tempo de liberação dos resultados cairá de uma média de 35 dias para dez. As informações foram detalhadas durante coletiva de imprensa realizada no Lacen.

coletivasesa 23022016_Fred Loureiro (5)
Maior volume de exames realizados vão permitir que sejam tomadas decisões que beneficiem o tratamento do paciente. Foto: Fred Loureiro/Secom-ES

O secretário de Estado da Saúde, Ricardo de Oliveira, ressaltou que a maior velocidade na liberação dos resultados e o maior volume de exames realizados vão permitir que sejam tomadas decisões que beneficiem o tratamento do paciente, bem como a implementação de ações de vigilância em saúde.

coletivasesa 23022016_Fred Loureiro (3)
O Governo do Espírito Santo vem adotando uma série de medidas, desde o ano passado, contra o avanço da dengue, da zika e da chikungunya. Foto: Fred Loureiro/Secom-ES

“Isso torna mais fácil definirmos por qual vírus a pessoa foi infectada, qual é o grupo populacional que está sendo afetado, enfim, obter informações que nos deem condições de agir com mais agilidade e eficácia em favor da população”, comentou.

Ricardo de Oliveira destacou que o Governo do Espírito Santo vem adotando uma série de medidas, desde o ano passado, contra o avanço da dengue, da zika e da chikungunya, e enfatizou que, dentre todas, a principal é o combate à proliferação do mosquito Aedes aegypti.

“Tenho feito uma peregrinação pelos setores empresariais pedindo que todas as empresas tenham seu Dia D de combate ao mosquito. Muitas já estão fazendo, e às que ainda não estão, peço que façam. Todo semana tem que ter Dia D nas casas, nas empresas, nos órgãos públicos. Isso é absolutamente fundamental e é o melhor que nós podemos fazer”, completou o secretário.

Deixe seu comentário