O motorista do Uber, Paulo Henrique Viana Thomaz, 43, que está entre as vítimas do acidente ocorrido na madrugada de ontem, sofreu traumatismo craniado, fratura exposta no fêmur e passou pelo Centro Cirúrgico ainda na tarde de ontem, onde fez procedimento operatório na cabeça e no fêmur, mas o estado dele ainda é considerado grave.

Motorista do Uber sofreu traumatismo craniado e fratura exposta no fêmur.

No momento do acidente, a esposa de Paulo esteve no local, e disse aos policiais que ele foi solicitado para atender uma viagem com destino a Meaípe. Além do Uber, o homem também trabalha vendendo lanches. Apesar da placa ser de Minas, Paulo está morando em Guarapari com a família.

No carro havia três passageiros que foram socorridos inicialmente para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do município, e depois foram encaminhados para o Hospital São Lucas. Um dos passageiros sofreu ferimentos nas mãos. Os nomes dos passageiros não foram liberados.

Bebida e direção.  A vítima fatal do acidente, Charles Peixoto de Moraes estava dirigindo o veículo Gol prata, quando invadiu a contramão da pista e bateu no Uber que seguia no sentido contrário, transportando quatro pessoas.

De acordo com informações colhidas pela Polícia Militar no local do acidente, o jovem saiu da boate em Nova Guarapari, e seguia no sentido Centro. Segundo amigos que pararam para ver a batida, Charles estava completamente alterado quando pegou o carro e dirigiu em alta velocidade.

Charles Peixoto de Moraes estava dirigindo o veículo Gol prata.

“Ele bebeu muito na boate. Na hora de vir embora, a menina que estava com ele nem quis entrar no carro porque ele estava muito bêbado, mas ele saiu dirigindo. Cinco minutos depois de sair de onde estávamos, ele bateu de frente com outro carro e morreu. É muito triste, porque ele era um cara muito gente boa, e morreu por imprudência dele”, relatou o amigo que preferiu não ter o nome revelado.

Um outro amigo do rapaz, Jones Sathler, que não estava na boate mas teve contato com a família, disse que Charles não estava mais namorando e não brigou na saída da boate como algumas pessoas estão dizendo, porém ingeriu bebida alcoólica e na hora de sair, pediram que ele não fosse dirigindo, mas ele não abriu mão.

“Ele realmente bebeu muito e algumas pessoas chegaram a pedir que ele não pegasse o carro, mas ele insistiu e acabou morrendo ao causar a batida em alta velocidade. Ele estava de cinto, por isso não voou do carro, mas a pancada foi no peito e ele morreu na hora”, disse.

Segundo boletim de ocorrência, Charles teria passado no radar que fica a poucos metros do local do acidente, a 140 km/h. Ao invadir a contramão da direção, o jovem bateu de frente com o veículo Fiat Idea, com placas de Belo Horizonte, Minas Gerais, usado como Uber. O veículo rodou na pista e parou no acostamento, já o carro de Charles capotou e parou a 40 metros do Idea.

O velório de Charles acontece em uma funerária do bairro Aeroporto. O corpo será enterrado hoje no Cemitério Parque Paraíso.

*Com informações do jornal A Tribuna

Deixe seu comentário

Comments are closed.