A família do pedreiro Manoel Messias Pinheiro dos Santos, conhecido como “Manoel da Ostra” e “Manoel Peroá”, de 49 anos, está desesperada em busca de notícias. Ele teria saído de casa, no bairro Bela Vista em Guarapari, onde morava há mais de 30 anos, para ir no manguezal, no Lameirão, onde iria pegar ostras para vender e desapareceu há mais de dez dias.

Um dos irmãos de Manoel, Raimundo Nonato Pinheiro dos Santos, contou que ficou sabendo do desaparecimento no último dia 16 através de um conhecido. Ele teria contado que o pedreiro já não aparecia na casa, em que morava sozinho, há quatro dias. Segundo Raimundo, no mesmo dia a família recebeu a informação de que o corpo de Manoel teria sido encontrado no mangue do bairro Lameirão, mas a notícia era falsa. “Fomos no local e não tinha corpo nenhum.  Quando falei a data que ele despareceu para os moradores de lá da região do mangue do Lameirão que conheciam ele, eles disseram que neste dia ele não foi lá”, disse o irmão.

Manoel Messias Pinheiro dos Santos, conhecido como “Manoel da Ostra ” e ” Manoel Peroá”, está desparecido há mais de 10 dias. Foto: Arquivo Pessoal

Raimundo relatou que decidiu ir até a casa de Manoel para buscar documentos e em seguida procurar pelo corpo no Departamento Médico Legal, em Vitória, mas foi surpreendido com a informação de que uma mulher teria trancado a casa.

“Quando falei com ela para abrir disse que não tinha a chave, mas que já tinha procurado o documento e não tinha achado nada. Falei com ela que se não era nada dele, não deveria ter procurado o documento. Depois quebrei o cadeado e também não encontrei nada. Ela falou que iria me ajudar a fazer o velório e eu perguntei como ela sabia que ele estava morto se eu não tinha nem ido no DML ainda. Aí ela me deu o cartão cidadão dele dizendo que era o único documento que achou na casa”.

O irmão disse ainda que Manoel não tinha envolvimento com drogas, mas costumava beber na companhia desta mulher e do marido dela. Segundo ele, a família já registrou ocorrência sobre o desaparecimento e recebeu várias informações sobre possíveis paradeiros de  Manoel, mas todas eram falsas.

“Nessa altura do campeonato não tenho mais esperanças de encontrar meu irmão vivo porque já tem mais de dez dias que estou na luta para encontrar e nada”, lamenta Raimundo.

Ele também fez um apelo por notícias reais que ajudem a encontrar o irmão desaparecido. “Está todo mundo desesperado. Minha mãe tem quase 80 anos, fica triste e vai para o hospital direto. Eu e meus irmãos ficamos  na batalha ou cuidando dela ou perguntando por aí alguma informação. Então peço ajuda para achar meu irmão”.

Informações. Quem tiver alguma informação que ajude a localizar Manoel pode entrar em contato com a família pelos telefones (27) 9 9799-9539 e 99878-8273 ou com a polícia pelo Ciodes (190) ou Disque-Denúncia (181).