A peça Belfagor, do grupo Árvore Casa das Artes, será apresentada na Praça da Itapemirim no próximo sábado (22), com oficina de artes cênicas gratuita no dia seguinte

O município de Guarapari receberá no próximo sábado, dia 22 de abril, o espetáculo teatral Belfagor. Trata-se de uma hilária e contagiante apresentação de teatro de rua do grupo Árvore Casa das Artes, e que promete muitos risos e interação com a plateia.

Espetáculo de teatro de rua imperdível neste final de semana em Guarapari

O espetáculo será realizado às 19h, gratuito, na Praça Philomeno Ribeiro, a Pracinha da Itapemirim, no bairro Muquiçaba. O espetáculo foi contemplado com o projeto Circulação Cultural de Artes Cênicas da Secretaria de Estado de Cultura, e será apresentado também em Venda Nova do Imigrante, Guriri, Santa Maria de Jetibá e Divino São Lourenço. Imperdível!

E, para quem quer tomar contato mais aprofundado com o teatro de rua, o grupo fará uma oficina, também gratuita, no dia seguinte, 23 de abril, das 8h às 11h, no Instituto Educacional Jesus Menino, no bairro Itapebussu, também em Guarapari. Inscrições para a oficina: (27) 99772-2383 – serelepeproducoes@gmail.com

Sinopse de Belfagor

O arquidiabo Belfagor é enviado à Terra, como ser humano, pelo chefe supremo do inferno: O Baixíssimo, com a missão de se casar para desvendar se o matrimônio e a mulher são os verdadeiros motivos que tornaram o inferno o destino final de milhares de homens. Na Terra, Belfagor se casa com Honesta e o que aparentemente seria uma simples missão se transforma numa confusão dos infernos, levando o arquidiabo a inúmeras e inesperadas constatações sobre a Terra e a humanidade.

FICHA TÉCNICA
Direção e Concepção: Wyller Villaças e Vanessa Darmani
Livre adaptação do conto “Belfagor o Arquidiabo” de Nicolau Maquiavel
Criação e Dramaturgia: Núcleo de Pesquisa em Teatro de Rua Árvore Casa das Artes (NPTR )
Direção Musical e Instrutor de Percussão: Tio Lu
Elenco: Alberto Miranda, Alfredo Andrade, Caroline Mello, Cyntia Dessaune, Elenízia Batista, Marina Bonnoni, Roberta Mesquita e Tio Lu.
Assessoria de Imprensa e fotografia: Fábio Martins
Produção Executiva: Vanessa Darmani
Arte Gráfica: Max Braz
Treinamento de Atores: Wyller Villaças, Vanessa Darmani.
Concepção de Figurino: Romelia Pessali e Vanessa Darmani
Execução de Figurino e Adereços: Romelia Pessali e NPTR
Confecção dos chifres de metal: Renato Sancharro
Consultoria sobre obra de Maquiavel: Wilson Coelho ( Dramaturgo e Filosofo)

ÁRVORE CASA DAS ARTES

A Árvore Casa das Artes nasceu do desejo do casal de artistas cênicos Wyller Villaças e Vanessa Darmani em integrar as Artes Cênicas com outras linguagens artísticas. Dos principais objetivos do grupo, além de dar continuidade a pesquisa do treinamento da arte de ator, a arte de rua, e a palhaçaria, se insere a promoção do encontro entre as linguagens das artes, ações educativas e sustentáveis no meio urbano. E, principalmente, gerar acesso aos bens culturais produzidos.

A Árvore Casa das Artes, nome assim escolhido por seus fundadores, nasceu em 2016, mas sua semente começa a germinar bem antes. Vanessa e Wyller são co-fundadores da Companhia Folgazões, uma das mais importantes companhias de teatro do estado do Espirito Santo, onde atuaram por nove anos comprometidos com a pesquisa sobre a arte de ator, a comicidade/palhaçaria, o teatro de rua e a cultura popular.

Hoje, com toda essa experiência acumulada, a caminhada se dá partir de um novo recomeço, onde as raízes que sustentam este novo caminhar, esta Árvore que nasce, que brota para mundo, está baseada numa relação de trabalho familiar e sustentável, profundamente afetado pelo nascimento do primeiro filho do casal de artistas Wyller e Vanessa, que renovou e potencializou o sentimento do desejo de um mundo mais humano.

NULEO DE PESQUISA E TEATRO DE RUA (NPTR)

É um núcleo formado por atores-pesquisadores que atua desenvolvendo pesquisas com o objetivo de codificar e sistematizar técnicas corpóreas e vocais para o ator da modalidade do teatro de rua, nas seguintes linhas: a) Treinamento do ator; b) Dramaturgia corporal do ator; c) Criação cênica coletiva; d) Percussão como corpo sonoro: treinamento e gatilho para criação.

Deixe seu comentário