IMG-20140211-WA0009[1]
Dentro do banheiro ele começou a quebrar tudo.

Um homem identificado como Derisvaldo Santos Costa, foi detido ontem (11) pela policia após ter um acesso de fúria e sair quebrando os objetos da Unidade de Pronto Atendimento  (UPA) de Guarapari.

Ele ainda teria tentado agredir as pessoas que estavam no local.  De acordo com os funcionários, Derisvaldo chegou ao UPA  por volta das 20h e foi levado direto para a emergência.

Desmaiado, ele foi colocado na cadeira de rodas. “Meu colega foi fazer a ficha. Ele já estava acordado, mas não quis passar os dados dele. Disse que a mãe iria trazer o documento. Meu colega então disse que iria aguardar. Ele simplesmente levantou, foi ao banheiro, que fica próximo à sala de emergência e com uma “comadre” começou a quebrar o espelho do banheiro”, explica a funcionária que não quis se identificar.

IMG-20140212-WA0001[1]
O estrago foi grande.

Ainda de acordo com ela, o acesso de fúria do homem continuou. “Ele quebrou a caixa do sanitário e outras coisas. Saiu de lá levando vários vidros quebrados do espelho, ameaçou jogar em uma técnica de enfermagem que estava próxima com um paciente. Ela pediu a ele pelo amor de Deus que pelo menos tivesse consideração pelo paciente. Ele foi em direção a recepção e jogou os vidros na porta. Tentou jogar um no meu colega que correu pra rampa. Pegou um carrinho de medição e quebrou o bebedouro da enfermagem com ele. Depois fugiu pela porta da recepção”, explicou.

Fuga.Depois disso, os enfermeiros foram atrás do homem que entrou no mesmo carro que o tinha trazido. As pessoas que presenciaram a cena, anotaram a placa e passaram para a polícia. O homem foi preso em flagrante pela PM.

IMG-20140211-WA0014[1]
Objetos quebrados mostram a fúria do ataque de Derisvaldo.

Ele foi levado de volta ao UPA para ser reconhecido pelas pessoas. De acordo com os funcionários, ao ser levado pela PM, o homem continuou fingindo estar “desmaiado”. Ele foi atendido e levado para o DPJ.

Insegurança. Estavam no UPA, sem contar os funcionários, cerca de 30 pessoas aguardando para ser atendidas. “Todos correram para fora da unidade”, disse um dos funcionários. O segurança estava jantando na hora do ocorrido.

Os funcionários reclamam que não existe segurança para eles. “A recepção não tem nenhuma proteção. As pessoas conseguem bater na cara da gente só esticando a mão. Uma mulher me ameaçou esta madrugada. Ela disse que ia me tirar de lá me segurando pelos cabelos”, diz outra funcionária. “A secretaria diz que o atendimento tem que ser humanizando, só quando acontecer algo grave é que vão tomar uma providencia”, desabafa.

Tentamos falar com a Secretária Municipal de Sáude, Aurelice Vieira, mas até o fechamento desta reportagem não conseguimos. O homem foi preso em flagrante e por destruir patrimônio público pode ficar preso por até três anos

Atualizado as 20h51

Resposta. Após o fechamento da matéria, a secretária de Saúde, Aurelice Vieira, deu retorno as nossas ligações. Ela lamentou o ocorrido. “Os funcionários estão sujeito a isso. Mas nós ratificamos o trabalho humanizado, a forma de tratar o paciente. É isso que o SUS nos orienta”, diz ela.

Ainda de acordo com ela, a insegurança alertada pelos funcionários é uma questão em discussão. “O CRM e outros órgãos pedem segurança armado, para dar mais proteção os funcionários. O conselho de saúde acha que não. É uma questão polêmica. O SUS pede um atendimento mais próximo do cidadão. Eu não me sinto em condições de jogar fora tudo o que SUS nos orienta”, explicou.

Deixe seu comentário

Comments are closed.