Mexer com cabelo vem de geração e Léo, como é conhecido, aprendeu a cortar cabelos quando ainda era bem novinho. “Minha mãe tinha salão, e ela começou a me ensinar a cortar cabelo masculino com 10 anos de idade, e aos poucos eu fui aprimorando”. Com 17 anos, abriu o primeiro salão embaixo da casa da mãe, mas o aluguel era caro, e ele resolveu mudar.

Léo
Léo aprendeu a cortar cabelos quando era crianças.

Em uma portinha bem pequena, com o chão de piso batido e um sofá de dois lugares que era forrado com um lençol, Léo começou a atender novamente. “Para começar os trabalhos no salão que ficava no bairro São Gabriel e nem tinha nome, foi preciso roubar uma tesoura da minha mãe. A tesoura tinha 20 centímetros e era muito pesada”.

E para atrair a clientela, foi preciso fazer boca a boca. “Eu ficava na porta do salão chamando as pessoas para entrar, porque eu precisava divulgar o salão e mostrar o meu trabalho”. E não demorou muito para se tornar conhecido. Com algumas semanas de trabalho, foi possível pagar o primeiro aluguel. “Eu era bem novo, e o aluguel era R$ 50,00. Quando eu consegui pagar o meu primeiro aluguel, chorei, porque eu não imaginava que ia conseguir. Já que o bairro era muito carente”.

Aos 30 anos de idade, o cabeleireiro já chegou a fazer 50 cortes masculinos em um único dia, por R$ 1,99. “Só que a metade era fiado, já que a maioria dos clientes eram conhecidos na região”, lembra Leonardo Mallagutti Porto, proprietário do salão que funciona há 3 anos em frente à Praia da Areia Preta, no Centro de Guarapari.

50 cortes a R$ 1,99 no sábado. Depois de cortar 50 cabelos masculinos na tesoura, Léo revela que mal conseguia fechar a mão. “Na hora do banho, não era possível nem fechar a mão, de tanta dormência. Foram quase 9 nove horas de trabalho, sem descanso”.

Malagutti
Hoje o Salão Malagutti é referencia em cortes e beleza na cidade de Guarapari.

Corte iluminado por uma Kombi. No final do expediente de um sábado, quando faltava apenas três pessoas, a luz no bairro acabou, e os cortes de cabelos foram feitos, graças ao carro do cliente. “Eram 3 pessoas, o pai e dois filhos que precisavam viajar no outro dia. O cliente que estava de Kombi, direcionou o carro para o salão e os cabelos foram cortados com a luz do farol. Foi muito engraçado. As pessoas passavam na rua e viam eu cortando o cabelo com o farol do carro.

Mallagutti
Salão oferece cortes e tratamentos dos mais variados tipos, com um atendimento todo especial.

Após 8 anos no bairro São Gabriel, o cabeleireiro comprou um espaço no bairro ao lado, onde montou um novo salão. No São José, Leonardo ficou quase cinco anos, e trocou o estabelecimento por uma moto no valor de R$ 3 mil para trabalhar em uma empresa de cosméticos. Mas após 8 meses de trabalho, pediu demissão. “Na época aconteciam muitos acidentes, e preferi abandonar o emprego”.

Novos empregos. “Fui trabalhar em um salão no Centro. Em seis meses no local, já estava ganhando mais que a dona e fui mandado embora. Em um outro salão, fui trabalhar como gerente do salão e também fui mandado embora. Mais seis meses em outro salão, e fui mandado embora mais uma vez, sem explicações. E percebi que era hora de abrir um salão mais uma vez”.

Léo2
Hoje o salão Malagutti deixa clientes e amigos satisfeitos com o trabalho realizado.

Depois de abrir um salão na Rua das Bonecas, onde ficou por três anos, e finalmente o endereço nobre, de frente para a praia das Castanheiras no Centro. “Um sonho realizado, que só foi possível com muito trabalho, muito esforço e acima de tudo, muita humildade, e conhecimento que é a base de tudo”.

Hoje o salão Malagutti é uma referência em cortes e tratamentos dos mais variados tipos, com um atendimento todo especial. Quem quiser conferir todas as novidades, basta procurar o Malagutti, na Av. Desembargador Lourival de Almeida, 202, Ed. Sea Star. os telefones de contato são: 27 3261-3387 | 9 9872-1748

Deixe seu comentário