Segundo pode-se ler no site https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Aeroporto_de_Guarapari, “o Aeroporto de Guarapari/ES, possui uma pista de 1.190 metros de asfalto, tem áreas de escape de 300 metros nas duas cabeceiras e espaço para hangares e oficinas.

A Prefeitura Municipal de Guarapari tem projetos de ampliação da pista para 1.400 metros e do terminal de embarque e desembarque, onde poderá receber vôos semanais pela Trip, para Vitória, São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. Porém, a prefeitura terá de seguir várias regras exigidas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).”

Dificilmente uma empresa de aviação renomada e de grande porte iria colocar suas grandes aeronaves para operar num “aeroporto”, tendo como cabeceira um centro de compras (Extracenter) e um posto de combustível, seguido de uma rede de lojas.

Diversas aeronaves no aeroporto de Guarapari. Foto Vinicius Rangel

Um fato inédito e curioso aconteceu em 2011, quando um avião comercial da TAM pousou na pista após sofrer uma pane no sistema. O barulho assustou os moradores na época, acreditando se tratar de um acidente aéreo. Existe um velho debate entre as principais lideranças municipais nos últimos anos, que trata sobre o projeto de desativação do atual aeroporto, para a construção de um novo espaço, dessa vez em Setiba.

Mas fato é que, se para construir uma Rodoviária – o Rodoshoping – a cidade padeceu com inúmeros impasses judiciais, o que não será quando acontecer a desativação do aeroporto que está mais para aeródromo, quando o mesmo for transferido para uma área de proteção ambiental (APA), como muitos dizem?

O famoso processo de análise e conversa entre a prefeitura e técnicos para viabilizarem os impactos sociais e financeiros que trariam para o município, como tudo que cerca a administração da coisa pública, parece que nunca vai sair do papel. Segundo foi comunicado pela gestão do mesmo aeroporto em 2015, se efetivamente a mudança de endereço acontecer, o novo aeroporto será o segundo maior do Espírito Santo, recebendo diversos vôos comerciais, além de particulares.

Se essa mudança acontecer ocasionalmente, ventila-se também a possibilidade do espaço atual se tornar ou um local para instruções para vôos comerciais ou se transformar numa outra grande avenida, desfluxionando o trânsito local de forma vultuosa.

O novo aeroporto será o segundo maior do Espírito Santo, recebendo diversos vôos comerciais,. Foto: Vinícius Rangel/ Portal 27

É preciso dizer que todo esse processo continua em estudo e não há previsão para implantação, ainda mais que não se vê no mapa da atual gestão nenhuma sinalização apontando nessa direção. Enquanto isso, a sociedade local segue sendo penalizada em ter que se locomover cerca de 50 km’s de Guarapari para Vitória, com o fim de embarcar num avião de vôo comercial com linhas nacionais e internacionais.

No entanto, a cidade saúde nesses últimos dias foi visitada por uma notícia muito animadora. É que a folha Vitória, numa de suas colunas, noticiou que “Guarapari terá vôos comerciais para Belo Horizonte (MG) e Manhuaçu (MG)*

Serão três frequências semanais operadas pela Apuí Táxi Aéreo. A Intenção da companhia é iniciar as operações em agosto deste ano (2017). Assim, os mineiros que lotam as praias de Guarapari (ES), agora terão mais um motivo para viajar para o município capixaba.

A Apuí Táxi Aéreo, pretende lançar três vôos semanais ligando Belo Horizonte – Aeroporto da Pampulha (MG), Manhuaçu (MG) e Guarapari (ES). Inicialmente os vôos serão às segundas, quartas e sextas-feiras. Os vôos também vão beneficiar os turistas capixabas que adoram viajar para Minas Gerais.

Um dos principais projetos que está em debate entre as lideranças municipais nos últimos meses, é a desativação do atual aeroporto para a construção de um novo espaço no bairro Setiba. Foto: Vinícius Rangel/Portal 27

A companhia aérea usará nesta rota o avião Embraer 110 com 15 assentos, conhecido pelo nome de “Bandeirantes”. Essa aeronave tem autorização da Agência Nacional Aviação Civil (ANAC) para operar em pistas do porte dos aeroportos de Guarapari (ES) e Manhuaçu (MG), segundo informou o idealizador do projeto Wilson Pessoa de Carvalho.

A venda das passagens para Guarapari (ES), ainda não foram iniciadas. Antes, a Apuí precisa de uma autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para dar início às ofertas dessas passagens.

A empresa também pretende lançar ainda neste ano vôos de Juiz de Fora (MG) para Belo Horizonte (MG). O nome fantasia da Apuí é A Redentorora. A partir de 15 de maio, a Apuí começa a oferecer vôos às segundas, quartas e sextas-feiras de Belo Horizonte (MG), para Patos de Minas (MG), Paracatu (MG) e Brasília (DF).”

No site da companhia já é possível comprar passagens para estes destinos. Informou a mesma folha. Nós torcemos para que esses empreendimentos venham lançar uma nova luz na nossa cidade, na direção de que esses investimentos, quando saírem da letra fria e morta, venham, cabalmente, gerar renda, emprego e aquecer o comércio local, tão marcado pela crise sócio econômica nacional.

Comments are closed.