O vereador Enis Gordin (PEN) enfrenta uma nova batalha na justiça eleitoral. Ele que já estava se defendendo de uma ação movida pelo ex-vereador José Raimundo Dantas (PEN), presidente do seu próprio partido, viu agora a entrada do seu colega de Câmara Municipal, Dito Xaréu (SDD), no mesmo processo, atuando como assistente na ação movida por Dantas.

Dantas alega que Enis recebeu uma doação, que embora tenha sido declarada a justiça eleitoral, estaria irregular. Procurado para explicar porque seu partido entrou na justiça dando assistência no processo movido por Dantas contra Gordin, Dito explicou que foi uma decisão partidária.  “Nós tivemos uma reunião do partido e como o partido teve uma intervenção no meio da política, com o afastamento do antigo presidente, e eu fui nomeado novo presidente, quem teve que assinar essa representação fui eu”, explicou.

Dito Xaréu (SDD), entrou no mesmo processo, atuando como assistente na ação movida por Dantas contra Enis Gordin.

Dito disse ainda que não é nada pessoal, apenas política. “Eu sou amigo do Gordin, não tenho nada contra ele. Só que eu sou presidente do partido e se seu partido reunir e falar que o presidente tem que assinar um documento; eu não tive opção, pois o partido poderia me expulsar e eu perder o meu mandato”, disse ele.

A defesa do vereador Enis Gordin disse estar surpresa com a entrada do Solidariedade nesta demanda. “Embora já tenhamos conhecimento superficial da entrada do Solidariedade no processo, a defesa não foi intimada oficialmente. Portanto, só poderemos nos manifestar depois que formos intimados. Estamos surpresos com essa atitude do Solidariedade, porque havia um bom relacionamento de câmara e um bom relacionamento entre os dois vereadores”, explicou o advogado Ricardo Rios.

EXTINÇÃO. O advogado disse ainda que o processo movido por Dantas já tem um pedido de extinção da ação feito pelo Ministério Público, atendendo as argumentações da defesa. Segundo Ricardo Rios, o processo vai mostrar os interesses do partido de Dito que é apenas ajudar o Dantas (PEN), já que o suplente do Solidariedade é o quarto colocado da coligação para entrar no lugar de Gordin.

“Não entendemos a justificativa do Solidariedade. O que motivou esse ato do Solidariedade? Entendemos que o processo vai mostrar se realmente o Solidariedade tem interesse em ajudar o seu 4° suplente, ou se ele está no interesse direto em ajudar o autor da ação, José Raimundo Dantas”, explica.

Também procurado por nossa equipe para se manifestar, o vereador Gordin disse que confia na justiça. “O povo não é bobo. A população sabe muito bem quem é quem nesse processo. Confio na nossa Justiça Eleitoral e pricipalmente em Deus”, disse. O processo se encontra com a juíza eleitoral que se manifestará sobre a entrada de Dito Xaréu na ação.

Deixe seu comentário

Comments are closed.