O presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil de Guarapari (Sindicig), Fernando Otávio Campos da Silva, comentou sobre o problema da falta de água em Guarapari nos últimos dias. Fernando disse que o problema que mais contribui para a escassez de água no município é a ocupação desordenada.

P1000694
Fernando Otávio disse que a ocupação desordenada prejudica o abastecimento de água. foto: João Thomazelli/Portal 27

 “Para realizar qualquer empreendimento na cidade, as construtoras devem apresentar o projeto à Cesan. Só depois de aprovado, a construção pode começar. Já nos bairros esse controle não é tão rígido, mesmo porque, depois de construída a casa, o proprietário constrói mais um cômodo, a família cresce, mas a infraestrutura de abastecimento da casa continua a mesma”, explicou Fernando.

Antes de começar a construção de um prédio, um projeto de viabilidade é apresentado à Cesan, que vai dizer se a rede de abastecimento de água comporta um empreendimento daquele porte. Se não for aprovado, a construção não começa.

O presidente do Sindicig citou ainda as casas de aluguel, que são construídas para uma família de quatro pessoas e na alta temporada recebem até 50 pessoas. “É claro que os apartamentos também recebem mais pessoas no verão, mas você não consegue colocar 40, 50 pessoas dentro de um apartamento”, finalizou.

Reuniões

P1000695
A imprensa não pode acompanhar as reuniões da Cesan. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Durante toda a quinta-feira (8) a Cesan realizou reuniões com representantes  da sociedade civil organizada para discutir o problema da falta de água no município.

A Cesan não permitiu que a imprensa ficasse no auditório durante as reuniões. Uma assessora de comunicação da empresa que estava no local, não soube explicar o motivo. Pela manhã a empresa conversou com lideranças comunitárias e à tarde com proprietários de hotéis, pousadas e comerciantes da cidade.

Wanusa Santos, Gestora de Relações com a Comunidade da Cesan, disse que fatores como o calor intenso e a falta de chuvas contribuíram para a falta de água no começo do ano em Guarapari.

A gestora disse que uma campanha de conscientização para a população começará a ser feita nos próximos dias. A meta é economizar água até que as chuvas caiam nas cabeceiras dos rios que abastecem a cidade.

Deixe seu comentário