O Supermercado Santo Antônio, que demitiu ontem (05) mais de 160 funcionários, informou aos profissionais que passa por dificuldades financeiras e que não tem condições de pagar, em espécie, as rescisões contratuais. As informações são da jornalista Beatriz Seixas, do jornal A Gazeta.

Quem fez o comunicado foi o advogado da empresa, Rafael Zouain. Ele explicou a situação aos trabalhadores, dispensados do centro de distribuição na tarde desta terça-feira (05). Em vídeo gravado por um dos profissionais demitidos e enviado à redação, o advogado da empresa afirma que a solução que encontraram foi disponibilizar um imóvel do grupo para tentar homologar na Justiça as rescisões trabalhistas.

“A empresa hoje passa por uma dificuldade muita grande em termos de caixa principalmente, e os senhores já sabem disso”, confirmou o advogado da empresa. “A gente não vai ter como arcar com essas demissões em espécie, em dinheiro. Obviamente, que a gente vai pagar de uma outra forma. Qual foi a forma que a gente encontrou dentro das nossas possibilidades hoje? A gente vai ter que pagar isso com um bem. E aí a gente só faz essa operação via Justiça do Trabalho”, concluiu o advogado.

Dispensas. Segundo a matéria, quando a empresa fechou três das cinco unidades para reforma, foi afirmado que não havia pretensão de realizar as dispensas, e que buscaria negociações junto aos profissionais. 13 dias depois do anúncio, demitiu mais de 160 funcionários das unidades.

Diante dessa situação, o advogado explicou a atitude da empresa. “Não tem como manter, arcar com a estrutura parada, fora do contexto que a gente ofereceu inicialmente, que era o acordo da suspensão do contrato de trabalho. Sendo assim, eu hoje chamei os senhores aqui para comunicar que, infelizmente, a gente vai ter que proceder o desligamento. Não temos condição de manter a estrutura sem fazer as demissões. Somente naquela outra possibilidade”, justificou.