O transporte individual de passageiros em Guarapari passa por uma crise inédita. De um lado a prefeitura, tentando coibir o abuso nas cobranças de corridas de táxi. Do outro lado, os taxistas insistem que com estes valores da tabela publicada na última sexta-feira, não vale a pena trabalhar. No meio disso fica a população que não sabe mais a quem recorrer.

A tabela de preços para as corridas de táxis em Guarapari foi divulgada na sexta-feira (veja aqui a reportagem), mas durante o fim de semana inúmeras reclamações chegaram ao Portal 27. Vários leitores nos enviaram mensagens dizendo que passaram por situações onde os motoristas se recusaram a usar os preços da tabela para as corridas.

Uma corrida de táxi da rodoviária até a Praia do Morro deve custar R$ 23 pela tabela. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Uma corrida de táxi da rodoviária até a Praia do Morro deve custar R$ 23 pela tabela. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“Não quiseram usar (a tabela). Estavam cobrando R$ 60 do Mais até Muquiçaba. Perguntei a mais de seis taxistas se tinham taxímetro eles diziam que não. Perguntei se estavam cumprindo a tabela e eles diziam que não”, declarou uma de nossas leitoras, que pediu para ter seu nome resguardado.

Já os taxistas argumentam que pelos valores fixados pela prefeitura, muitos vão desistir da profissão. “Com estes valores prefiro deixar o carro em casa. Não paga nem a gasolina. Se pegarmos engarrafamento então, fica mais difícil ainda”, comentou um taxista.

Valtair diz que pela tabela da prefeitura não há lucro para o taxista. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Valtair diz que pela tabela da prefeitura não há lucro para o taxista. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Valtair Loiola, delegado do sindicato dos taxistas em Guarapari deu um exemplo dos gastos: “Uma corrida da rodoviária para o final da Praia do Morro pela tabela sairia por R$ 23. Só de gastos com combustível o taxista vai gastar em média R$ 14 para levar o passageiro e voltar para o ponto. Além disso, há o salário do taxista, o desgaste do veículo… Isso tudo deve ser levado em conta”, declarou.

A reclamação recorrente entre os taxistas é de que a categoria não foi consultada sobre a tabela e sequer foram comunicados oficialmente.

Resposta da prefeitura

Em nota a prefeitura de Guarapari esclareceu o que pode acontecer com um taxista que se recuse a cumprir a tabela ou usar o taxímetro, para o caso dos 14 que já têm o aparelho instalado. Segue íntegra da resposta da prefeitura:

A prática da não utilização da tabela ou do taxímetro é condenada pela Prefeitura, sendo necessária a formalização da denúncia pelo usuário à Secretaria de Fiscalização. É importante que o denunciante informe o maior número de detalhes como o número da placa do veículo, local de embarque, data e horário de embarque, trecho da “corrida”, valor cobrado e características do veículo.

A tabela referencial especial para os táxis de Guarapari foi definida conforme deliberação na Plenária da Reunião Extraordinária realizada em 13 de janeiro de 2016 e publicada no Diário Oficial dos Municípios do Espírito Santo, passando a vigorar às seis horas do sábado (16).

Nesta segunda e terça as tabelas começaram a ser afixadas nos pontos turísticos, bem como amplamente divulgada no site da Prefeitura e redes sociais.

Caso o taxista não cumpra com as determinações, poderá receber notificação de suspensão dos serviços e até perder a permissão de exploração da atividade.