A última sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Guarapari deste ano, realizada na tarde de ontem (17) terminou com o esvaziamento do plenário na hora de colocar em votação um Projeto de Lei (PL) da prefeitura para alterar a lei 2050/2005 que versa sobre a instalação de antenas de transmissão de telefonia celular no município.

P1000507
A última sessão extraordinária da Câmara de Vereadores de Guarapari deste ano, realizada na tarde de hoje. Foto: João Thomazelli/ Portal27

A alteração da lei liberaria as empresas de telefonia que operam em Guarapari para instalar antenas em qualquer lugar do município sem a concordância da maioria dos moradores que vivem em um raio de 200 metros do entorno do lugar da instalação.

Atualmente, para que as empresas possam instalar antenas, os moradores devem ser consultados antes da instalação. Por se tratar de um assunto polêmico, que envolve possíveis casos de câncer em moradores que vivem perto das antenas. Para que os vereadores tivessem mais tempo para analisar a lei, depois de um recesso de cinco minutos, pedido por Thiago Paterlini (PMDB), e sem possibilidade de se pedir vistas do processo, os vereadores resolveram esvaziar a sessão para não colocar o projeto em votação.

Manoel
Manoel é um doa autores do projeto de lei que facilitaria o acesso da população à Praia da Fonte. Foto João Thomazelli/ Portal 27

Mas antes da votação da PL, os vereadores votaram um veto, também da prefeitura, sobre a desapropriação de um terreno que facilitaria o acesso da população à Praia da Fonte. O PL, de autoria dos vereadores Fernanda Mazzelli (PSD), Manoel Ferreira Couto (PT) e Ronaldo Gomes (PRP). O projeto de lei foi vetado pelo prefeito Orly Gomes. Para derrubar o veto, os vereadores precisavam de pelo menos 12 votos, mas só conseguiram nove.

A manutenção do veto indignou alguns moradores do Caminho da Fonte que estavam no plenário. Muito nervosos, eles saíram da Câmara logo depois exaltados com os vereadores. Por ter sido através do voto secreto, não se sabe quem votou contra o PL.

 

Deixe seu comentário