A EDP Brasil, distribuidora de energia do Espírito Santo, entregou nesta quinta-feira 1.220 lâmpadas eficientes para as Associações de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de Castelo, Guarapari, Iúna, Irupi, Marataízes e as famílias que utilizam os serviços da instituição.

GEDSC DIGITAL CAMERA
Das 1.220 lâmpadas doadas, 927 são do tipo led e 293 fluorescentes compactas.

A ação faz parte do Programa Eficiência Solidária, que conta com o apoio do Instituto Bioterra, que atua no desenvolvimento de programas sustentáveis de geração e conservação de insumos energéticos de todo o país, e do Instituto EDP, que coordena as ações socioambientais do Grupo EDP.

“A APAE é uma das entidades sociais mais importantes do País. Com mais essa iniciativa, podemos ajudar a instituição a combater o desperdício e ainda incentivar o uso eficiente e seguro da eletricidade nas casas de quem é auxiliado pela organização”, diz Evandro Scopel, gestor executivo da EDP.

luciane pádua
Diretora da instituição em Guarapari agradeceu a parceria.

Das 1.220 lâmpadas doadas, 927 são do tipo led e 293 fluorescentes compactas. O programa ainda prevê o cadastro das famílias aptas ao benefício da Tarifa Social, que gera descontos na conta de luz. Para tanto, os consumidores precisarão integrar o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal. “Parcerias como essa demonstram o quanto a sociedade civil organizada, com o apoio de empresas como a EDP, pode ampliar seu campo de atuação e preencher com seu trabalho o grande vazio assistencial que ainda existe no Brasil”, explica Washington Luiz Sielemann Almeida, presidente da Federação das APAEs do Espírito Santo (FEAPAES-ES).

E para celebrar o engajamento de todos os usuários que promoveram a conscientização sobre o uso eficiente da energia, substituindo suas lâmpadas incandescentes pelas de tecnologia LED, um evento  foi realizado na sede da APAE em Guarapari. Para a diretora da instituição, o programa só veio acrescentar ao trabalho que já é desenvolvido no local. “A ação é tão importante para a instituição quanto para as famílias que são parte da nossa família. É um custo a menos para a troca e uma redução na conta de energia que vai colaborar até mesmo para o meio ambiente”, declarou Luciane Pádua.