Os servidores do poder legislativo de Guarapari já podem comemorar. Eles receberam um reajuste de 5,62% em seus salários, aprovados pelos vereadores durante sessão no último dia 10 de junho.

Vereadores aprovaram o aumento no salário dos servidores da casa.
Vereadores aprovaram o aumento no salário dos servidores da casa.

Além deste percentual de aumento os funcionários do Legislativo receberam também um aumento de R$100 no vale alimentação que agora será de R$365 reais. “Estou contente com os reajustes concedidos este ano. O presidente Wanderlei Astori desde o início esteve aberto ao diálogo com os servidores, e já estávamos cientes, em virtude do acréscimo do número de vereadores no ano anterior, que ele não poderia conceder mais do que isso”, disse o servidor efetivo, Paulo Aguiar.

Jorge Ramos_1
vice-presidente da Casa de Leis, Jorge Ramos de Moraes diz que é preciso valorizar a categoria.

O vice-presidente da Casa de Leis, Jorge Ramos de Moraes diz que é preciso valorizar a categoria. “Os efetivos mereciam muito mais”, explica. Ainda de acordo com ele, a casa passou por muitas mudanças por causa do aumento no número de vereadores, entretanto o repasse da prefeitura continua o mesmo. “Nas gestões anteriores, eram apenas 11 vereadores. A partir de um acordo do congresso nacional, passou a ser 15, e a justiça eleitoral empossou mais dois, no final do ano passado. A nossa despesa não pode ultrapassar 70% do valor concedido pela prefeitura”, afirmou. Por lei, esses reajustes devem acontecer anualmente, para reduzir a perda salarial causada pela inflação, de acordo com o INPC.

Prefeitura. Se do lado da Câmara o aumento é satisfatório, o mesmo não se pode dizer dos servidores da prefeitura. Este mês, mesmo recebendo um aumento de salarial de 6%, concedido pelo prefeito, e mais 20% no vale alimentação, os servidores chegaram a entrar em greve, por estarem, segundo eles, insatisfeitos e desvalorizados. “Eles nos concederam um aumento de 20 reais no vale. Agora, vamos receber cento e vinte reais, valor bem abaixo do recebido por servidores de outras cidades”, afirmou a presidente do Sindicato, Rosemary Abud.

A greve durou apenas três dias. O sindicato foi notificado da decisão judicial que considerou a greve ilegal, no entanto, a advogada do Sintrag, Ana Maria Lopes, diz que o sindicato vai recorrer da decisão. “Vamos provar que o movimento é legal, e voltaremos com a greve, caso a prefeitura não nos conceda o aumento digno”, explicou.

O sindicato continua a negociação de aumento com prefeito. “Nós apresentamos um reajuste salarial de 10% para cada funcionário público, além de pelo menos R$15 por dia no auxilio alimentação. Realmente não é possível se alimentar com R$120 por mês”, esclarece Ana Maria.

Deixe seu comentário