A busca pelo conhecimento não tem idade. Ela começa quando somos crianças e deveria nos acompanhar por toda a vida. E foi isso que escolheu fazer a dona Maria da Conceição Basílio Bernardo, de 77 anos. Nem a falta de recursos quando criança e nem mesmo uma pneumonia há poucos anos a fizeram desistir do sonho de estudar.

Nascida em maio de 1939 em Aimorés, Minas Gerais, ainda criança se mudou para Colatina com os pais e os 10 irmãos. Logo depois vieram para Guarapari. Dona Maria é de poucas palavras, mas sempre com um sorriso no rosto, conta que ainda pequena teve que parar de estudar. “Não tinha dinheiro para comprar o material naquela época. Era caro”.

Dona Maria foi homenageada na visita do ministro da educação à Guarapari. Foto; João Thomazelli/Portal 27
Dona Maria foi homenageada na visita do ministro da Educação à Guarapari. Foto: João Thomazelli/Portal 27

A vida continuou e com o passar dos anos, fazendo faxina em casas de família, dona Maria não esqueceu a vontade de estudar. Em 2001, se matriculou no curso de alfabetização para adultos na rede pública, mas logo depois teve que parar por causa de uma pneumonia que a derrubou.

Mas nem isso a desanimou. Hoje, com 77 anos, dona Maria cursa o 5º ano do EJA (Educação de Jovens e Adultos), o que equivale ao sexto ano do ensino fundamental. E ela não pretende parar tão cedo.

“Eu quero ver se consigo chegar na oitava série. Depois eu vejo o que faço”, conta Maria. No último dia 26 de fevereiro, ela participou de um evento no Ifes de Guarapari e durante homenagem feita a ela, pediu um abraço do Ministro da Educação, Aloísio Mercadante. “Queria conhecer ele…”, conta, um pouco tímida. Sobre este repentino interesse por ela vindo de vários meios de comunicação da cidade ela responde: “Fico feliz com tanta gente gostando de mim”.

Aos 77 anos dona Maria está cursando a 5ª séria no Eja. foto: João Thomazelli/Portal 27
Aos 77 anos, dona Maria está cursando a 5ª série no EJA. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“Dona Maria é um modelo a ser seguido. Ela pensa sempre em melhorar, em aprender mais. Isto é importante”, declara o companheiro de turma Paulo Silas Souza Ferreira, 22 anos.

A professora de matemática de dona Maria, Solange Bodart, 50 anos, há 27 leciona e mesmo já tendo visto muita coisa na sala de aula, se emociona quando começa a falar de dona Maria.

“A dona Maria não falta. Ela está sempre aqui. Tem dias que o desânimo bate, mas eu arrumo forças porque sei que lá na sala tem alguém que está me esperando para poder aprender. Pessoas como a dona Maria inspiram, nos dão forças”, conta a professora, com lágrimas nos olhos.

Dona maria com a professora Solange os colegas de turma. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Dona Maria com a professora Solange e os colegas de turma. Foto: João Thomazelli/Portal 27

O diretor da Escola Ignez Massad Cola, Glaumer Neumeg, diz que a instituição meio que adotou dona Maria. “Ela é nosso xodó. Há poucos dias levamos ela para fazer exames pois ela está com catarata. Ela é muito querida aqui na escola. Já falamos que depois que ela chegar na oitava série, se quiser continuar ao invés de ir para uma escola estadual, o lugar dela está garantido”, finalizou Neumer.

Deixe seu comentário