Alinhada e ciente da importância de apoiar ações que promovam a sustentabilidade, conscientização e preservação ambiental, a EDP, empresa do Grupo EDP Energias de Portugal S.A., com o apoio do Instituto EDP e em parceria com o Instituto Terra, realiza pelo terceiro ano consecutivo o projeto Doces Nascentes Capixabas, cujo objetivo é revitalizar, proteger e recuperar nascentes no município de Baixo Guandu, no Espírito Santo, que fazem parte da bacia hidrográfica do Rio Doce.

446447
Parceria faz parte do projeto “Doces Nascentes Capixabas”, que atua na proteção, conscientização e preservação dos recursos hídricos do Estado.

Com a iniciativa, nos dois primeiros anos do projeto já foram recuperadas 32 nascentes e, neste ano, o projeto já está atuando na proteção e recuperação de outras 13, beneficiando produtores rurais na região capixaba do Rio Doce. “Nosso objetivo é conscientizar os agricultores sobre a importância da recuperação e manutenção das áreas que cercam as nascentes, bem como dos benefícios para toda a sociedade do uso sustentável dos recursos naturais”, afirma Pedro Sirgado, diretor Executivo do Instituto EDP, entidade que coordena as ações socioambientais do Grupo EDP.

Os bons resultados conquistados são fruto, principalmente, do trabalho de conscientização da importância de preservação das nascentes realizado com pequenos produtores rurais. Uma vez que os donos da terra aceitam participar do projeto, o Instituto Terra elabora um projeto técnico de uso e ocupação do solo, bem como a distribuição de insumos e mudas para a proteção e recuperação dos mananciais. Aos produtores rurais é dada a responsabilidade de plantar as mudas e cercar as áreas, quando necessário.

ParnaNascentes_doRioParnaíba1_Eraldo_Peres
Com a iniciativa, nos dois primeiros anos do projeto já foram recuperadas 32 nascentes. Foto Eraldo Peres

Recursos hídricos
O aumento da quantidade e qualidade dos recursos hídricos é o principal benefício para os produtores rurais participarem do projeto. A elaboração de um planejamento do uso da propriedade em concordância com código florestal e a mudança na relação do homem com o meio ambiente também são aspectos que tornam a iniciativa atraente e despertam interesse de outros agricultores. “É comum os técnicos do Instituto Terra serem procurados por produtores vizinhos à propriedade em que o projeto está sendo executado interessados em aderir ao programa”, diz Gilson Gomes de Oliveira Júnior, analista de Projetos do Instituto Terra.

A reação dos proprietários das terras após a conclusão do projeto confirma o impacto positivo das ações executadas. “De forma geral, há uma relação de gratidão por parte dos produtores beneficiados. Muitos deles fazem questão de dar depoimentos sobre a satisfação de terem recebido nossa assistência”, finaliza Sirgado.