Um outro decreto, de número Nº 334/2020, do prefeito de Guarapari, Edson Magalhães (PSDB), libera o funcionamento de parques aquáticos na cidade “observando as boas práticas e os procedimentos de higienização, bem como a garantia das condutas adequadas de higiene pessoal e o controle de saúde dos colaboradores e clientes, a fim de minimizar o risco de transmissão do COVID-19.”, diz parte do decreto.

Ainda no decreto consta que “§ 1º. Fica vedada, em qualquer tipo de parque aquático, a prática de atividades de contato e/ou que obrigatoriamente demandem compartilhamento de materiais ou equipamentos, tais como as atividades recreativas e dentre outras.

Esse decreto vem após a fiscalização e quase prisão, do empresário Marcos Azevedo, proprietário do Acquamania,

§2º. Para utilização das piscinas, o Parque deverá disponibilizar aos clientes, álcool e/ou álcool gel 70% (setenta por cento) para higienização de mãos antes de tocar na escada e nas bordas, disponibilizar suportes para que cada cliente possa pendurar sua toalha de forma individual, garantir a qualidade da água nas piscinas com eletroporação e filtros químicos em alta concentração e, a cada 2 (duas) horas, higienizar as escadas, balizas e bordas da piscina;…”

Prisão. Esse decreto vem após a fiscalização e quase prisão, do empresário Marcos Azevedo, proprietário do Acquamania, que estava com seu parque aquático aberto e foi visitado pela fiscalização da prefeitura.

Depois desse episódio, a Associação de Hotéis e Turismo de Guarapari (AHTG) emitiu uma nota de repúdio contra a prefeitura de Guarapari (confira aqui).

O decreto completo libera o funcionamento de parques aquáticos está no diário oficial dos municípios de hoje.

Deixe seu comentário