A morte de uma criança no Hospital Francisco de Assis (HFA), em Guarapari, na segunda-feira (11) está sendo investigada. Durante todo o dia de hoje, nossa equipe recebeu informações de que a criança que veio a óbito no HFA, estaria com o vírus H1N1.

HFA-predio
O hospital diz que não é possível afirmar, ainda, que a morte tenha sido ocasionada pelo vírus.

Em busca de esclarecimentos sobre o caso, procuramos a assessoria do hospital, que informou, por meio de nota, que “o óbito ocorrido na última segunda-feira (11/04) foi encaminhado ao Serviço de Verificação de Óbito (SVO) para esclarecimentos da causa da morte, não sendo possível afirmar até o momento que tenha sido ocasionado pelo vírus H1N1”. A assessoria não informou o sexo e a idade da criança. Até o momento, apenas uma morte por H1N1 foi confirmada no Espírito Santo.

De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), três mortes no ES estão sendo investigadas para determinar o agente causador. O órgão recebeu, entre 03 de janeiro e 12 de abril, 36 notificações de Síndrome Respiratória Aguda Grave. Deste total, oito casos de H1N1 foram confirmados por exames laboratoriais.

Em Guarapari, a Secretaria Municipal de Saúde afirma que vem trabalhando e desenvolvendo medidas de controle, de acordo com o protocolo do Ministério da Saúde, para evitar uma epidemia causada pelo vírus H1N1.

Em nota, a prefeitura afirma que “Guarapari está em alerta, pois nossa cidade recebe um grande número de pessoas de diversos lugares, com isso, a população deve ficar atenta para casos de viagens. Ressaltamos que até a presente data, NÃO CONSTAM em nossos registros casos suspeitos do vírus H1N1”.

Sintomas

Tanto a Influenza A (H1N1) quanto a Influenza Sazonal (gripe comum) são causadas por subtipos do vírus Influenza. Os sintomas são os mesmos: febre, tosse, dor de garganta, dor no corpo e mal-estar, caracterizando uma síndrome gripal. Quando o paciente apresentar estes sintomas e estiver com dificuldade para respirar, a orientação é procurar um serviço médico.

Prevenção

h1n1 prevenção– Lavar sempre as mãos com água e sabão;

– Evitar colocar as mãos no rosto, em especial na boca e no nariz;

– Ao tossir ou espirrar cobrir o nariz e a boca com lenço de papel.

Vacinação

Com o objetivo de prevenir contra o vírus, o Governo do Espírito Santo irá antecipar a vacinação contra a gripe para a próxima segunda-feira (18). Um cronograma por público-alvo será seguido. Pelo menos 679 mil pessoas devem ser imunizadas no Estado, o que representa 80% do público prioritário (849.975 pessoas).

Os primeiros a receberem a dose serão os trabalhadores da saúde, as gestantes e as puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto). A partir de 30 de abril, dia D de Mobilização Nacional, até o dia 20 de maio, a vacinação será destinada a todos que compõem o grupo prioritário da campanha.

Foto: Romero Mendonça/Secom-ES
Os trabalhadores da saúde, as gestantes e as puérperas serão os primeiros a receberem a dose. Foto: Romero Mendonça/Secom-ES

Além dos trabalhadores da saúde, gestantes e puérperas, também estão no grupo prioritário da campanha nacional de vacinação contra gripe as pessoas com 60 anos ou mais; crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade; indígenas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; e pessoas com doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, entre outras. A vacina contra gripe fornecida pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é trivalente e protege contra os vírus influenza A (H1N1), influenza A (H3N2), e influenza B (subtipo Brisbane).

A vacinação contra gripe acontecerá em todas as Unidades Básicas de Saúde, nos 78 municípios capixabas. A semana passada e esta semana foram fixadas como período de distribuição das vacinas para os municípios e organização dos serviços municipais de saúde para início da vacinação.

Cronograma de vacinação contra gripe

– A partir de 18 de abril (segunda-feira): trabalhadores da saúde (todos os trabalhadores dos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade), gestantes e puérperas (mulheres no período até 45 dias após o parto);

– A partir de 30 de abril (sábado): vacinação de todos os grupos prioritários da campanha, que é composto por pessoas com 60 anos ou mais; crianças de 6 meses a menores de 5 anos de idade; indígenas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional; pessoas com doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, entre outras; profissionais de saúde; gestantes e puérperas.