Nesta segunda-feira (27) agentes da Delegacia de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri) prenderam Paulo Rossi Bermonte Marcelino, mais conhecido como Dodô, de 29 anos, em sua casa, no bairro Camurugi, com drogas e um telefone roubado.

De acordo com a polícia, Dodô estava com um dos celulares roubados e 24 pedras de crack e oito buchas de maconha.

O delegado da Depatri, Marcos Nery explicou que inicialmente Dodô era suspeito de ser um dos receptadores dos celulares roubados em uma loja especializada em aparelhos celulares, localizada no Centro, há duas semanas. “Foi um roubo que ocorreu em uma loja de celular de Guarapari e a princípio ele foi um dos receptadores. Aí para verificar se realmente ele tinha cometido o crime de receptação constatamos que ele estava com um dos aparelhos roubados”, um Motorola G5 .

Nery acredita que os demais aparelhos já tenham sido repassados por ele. “Ele deve ter trocado por drogas. A gente sabe que ele é traficante e não tem passagem por tráfico, mas já foi conduzido e tem boletim de ocorrência por arma e tráfico”.

Segundo o delegado, Dodô afirmou ter comprado o telefone e que as drogas eram para uso pessoal.

Além do aparelho roubado, foram encontradas oito buchas de maconha e 24 pedras de crack na casa de Dodô. “Ao solicitarmos que ele pegasse um documento, ele foi até a sala e pegou uma Carteira de Identidade e quando o policial olhou, verificou que era de outra pessoa. Depois disso o policial também localizou dentro de um quarto, onde tinha um bebê dormindo, várias buchas de maconha e pedras de crack”.

Apesar da polícia ter encontrado o telefone roubado e as drogas em sua casa, Dodô negou o crime. “Ele falou que comprou o celular e que as drogas seriam para uso”, relatou o delegado.

“Isso demonstra que os crimes patrimoniais e de tráfico se relacionam à medida que muitas pessoas cometem roubos para sustentar o vício nas drogas. Essa é uma prisão importante porque a gente prende o receptador que, provavelmente, nem adquira através do dinheiro, mas sim através de drogas. Isso incentiva o cometimento de crimes patrimoniais”, afirmou Nery.

De acordo com o delegado, a localização dos outros parelhos roubados está sendo investigada e Dodô deve ser autuado por tráfico e receptação.