Um homem foi preso pela segunda vez neste domingo (09) depois de consumir em estabelecimentos comerciais e tentar fugir sem pagar. Nos dois casos ele ainda falou que era policial militar, para tentar intimidar as vítimas.

Por volta das 4 horas de hoje a Polícia Militar foi acionada para atender a uma ocorrência que dizia que um policial militar estava tentando sair de uma casa noturna sem pagar a conta. Ao chegar no local, os militares constataram que o homem, identificado como Fabiano Magno Bispo, 32 anos, não era policial e que havia consumido R$ 150,00 e não tinha dinheiro para pagar.

Fabiano foi presos duas vezes neste domingo depois de consumir e não pagar.

Ele foi conduzido para a delegacia e depois de prestar esclarecimentos, assinou um termo circunstanciado, como prevê a lei, e foi solto. Depois de sair da delegacia, ele foi para a Praia do Morro e sentou em um quiosque e passou a consumir.

“Ele se enturmou com uma turma que também estava no quiosque e passou a pedir vários coisas para o grupo”, contou a dona do quiosque, que pediu para não ser identificada. Ela não divulgou o valor da conta, mas disse que ele bebeu whiskey com energético, camarão e outros itens mais caros do cardápio.

Preocupada com o valor da conta, ela pediu que ele pagasse o que tinha consumido até o momento. Ele disse que ia ao banheiro e entrou no mar e tentou fugir andando dentro da água, mas foi seguido pela dona do quiosque e dos vendedores ambulantes que trabalham no local e saiu da água dois quiosques à frente.

Quando viu que não tinha como escapar, disse que era sargento da PM e passou a fazer ameaças as pessoas. Novamente a PM foi acionada e o levou para a delegacia. Ele tinha R$ 25,00 na carteira.

Já na 5ª Delegacia Regional (Guarapari) pela segunda vez neste domingo, Fabiano passou a reclamar da prisão e a gritar com os policiais. Quando o colocaram na cela, ele passou a bater com o cadeado na grade e fazer muito barulho. Os policiais tiveram que o algemas, mas mesmo assim ele continuou com o tumulto. Nem mesmo gás de pimenta foi suficiente para acalmar o detido, que passou a cantar dentro da cela, além de continuar a bater com o cadeado na grade.

O delegado de plantão autuou Fabiano por fraude e estelionato, mas como a pena dos dois crimes não passa de dois anos, ele vai assinar um termo circunstanciado e será solto ainda hoje.

Deixe seu comentário

Comments are closed.