A Prefeitura de Itapemirim, por meio de parceria entre as Secretarias Municipais de Educação e Meio Ambiente, realizou o Fórum Municipal para a elaboração do Programa Estadual de Educação Ambiental (PEEA). O evento ocorreu na última quarta-feira (21), no polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

O objetivo do evento foi discutir sobre a educação ambiental do município, buscando refletir e dialogar sobre como torná-la uma realidade na região, com base na Lei 9.265/2009, que instituiu a Política Estadual de Educação Ambiental do Estado do Espírito Santo e outras bases legais (federal e estadual), a fim de criar caminhos para a construção coletiva do plano de ação do programa, criando condições legais, técnicas administrativas e operacionais para que esta Lei seja cumprida.

Foto: Prefeitura de Itapemirim
Foto: Prefeitura de Itapemirim

O secretário de Meio Ambiente, Tiago Leal, abriu o evento e discursou sobre a importância da realização do fórum. “A Educação Ambiental exige uma postura crítica e um corpo de conhecimentos produzidos a partir de reflexões sobre a realidade vivida e experimentada. Sem o apoio e diretrizes que serão tratadas a partir deste fórum, para a construção de um moderno e atualizado PEEA, o Meio Ambiente continuará caminhando para sua degradação e constante processo de devastação, pois somente a Educação Ambiental pode realmente mudar hábitos, valores e atitudes da população”, afirma.

A secretária de Educação, Adriana Paula Viana Alves, destacou que todas as escolas do município estarão empenhadas em desenvolver projetos e ações cotidianas para fortalecer a adoção de hábitos e atitudes, garantindo procedimentos preventivos e preservativos ao meio ambiente .

Estiveram presentes no fórum: autoridades municipais, pedagogos, professores (ciências e geografia), órgãos estaduais, como o IDAF, Ascamari e sociedade civil. Eles escolheram temas da realidade do município (Formação de agentes multiplicadores; Recurso hídricos e coleta de lixo; Participação popular; Áreas protegidas; Educação ambiental e campo; Impactos industriais e socioambientais) e, em grupos, discutiram sobre as fragilidades, potencialidades e propostas de intervenção para cada tema.

Deixe seu comentário