Mais um episódio envolvendo o Guarapari Esporte Clube. Na tarde de hoje a Secretaria de Meio Ambiente esteve no local onde será construído o novo estádio do clube, para atender a um pedido do Ministério Público Federal.

O MP quer saber por que ao invés de aterrarem 600 m² de terreno, como era especificado no pedido de licença ambiental, foram aterrados 10 mil m² de área de alagado.

A própria secretária de meio ambiente foi ao local e para identificar o aterro para preparar um relatório, que será enviado ao MP. “O pedido do MP Federal chegou para nós em junho deste ano e estamos verificando a situação para enviarmos a resposta”, explicou Jéssica Martins de Freitas.

Local onde será construído o novo estádio do Guarapari. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Local onde será construído o novo estádio do Guarapari. Foto: João Thomazelli/Portal 27

Outra pendência do clube na área de construção do novo estádio é que eles foram multados na época em que começaram a fazer o aterro, por ficar a menos de 30 metros das margens do Rio Perocão. Além da multa, o Guarapari Esporte Clube teria que apresentar um Programa de Recuperação de Área Degradada (Prad), pois a vegetação as margens do rio foi suprimida.

“Plantaram algumas árvores nas margens do rio, mas eles não nos enviaram o Prad, e isso constitui mais uma infração”, disse Jéssica.

A secretária contou ainda que na época do começo das obras, uma placa foi colocada na entrada do terreno com o número da licença ambiental, mas a licença era para a construção da ponte sobre o Rio Perocão e não para o aterro, o quê gerou a multa. Mas, apesar das multa, a obra não está embargada, ressaltou.

O Portal 27 tentou entrar em contato com o presidente do Guarapari Esporte Clube por telefone, mas não conseguimos ser atendidos.