O plenário da Câmara de Vereadores de Guarapari de Guarapari ficou lotada na sessão de hoje por moradores do loteamento Pontal de Santa Arinda e por alunos da Escola Doutor Silva Mello (Polivalente). Além de ouvir as reivindicações dos dois grupos, os vereadores votaram em bloco 15 requerimentos, todos eles aprovados por unanimidade.

Entre os requerimentos aprovados está o do vereador Jorge Figueiredo (PP). O vereador pediu a limpeza dos bueiros e bocas de lobo que ficam nos bairros Kubistchek, Santa Margarida, Coroado e Santa Mônica. Já o vereador Manoel Couto (PT) solicitou que a prefeitura de Guarapari cobre, junto ao Governo Estadual o término das Obras da Escola Dr. Silva Melo.

Moradores de Pontal de Santa Arinda estiveram na sessão de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Moradores de Pontal de Santa Arinda estiveram na sessão de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27

A sessão foi marcada pelas manifestações populares. Alguns vereadores cederam os seus tempos na tribuna para que representantes das manifestações pudessem discursar.

A presidente da Associação dos Moradores de Pontal de Santa Arina, Ana Carla Jesus, reforçou o pedido para que os vereadores e prefeitura busquem soluções para o problema do bairro. Saiba mais aqui.

“Imaginem chegar em casa todos os dias e não ter energia elétrica para ligar uma lâmpada, um ventilador com este calor. Tem gente que mora no bairro há mais de 20 anos. Pagamos o IPTU, o loteamento foi liberado pela prefeitura em 1998. Precisamos de uma solução”, disse Ana Carla.

Já Alessandra Abid, aluna do Polivalente e presidente do Grêmio Estudantil da escola subia a tribuna para pedir o término das obas no prédio da escola que já duram cinco anos e há um ano estão paralisadas. Saiba mais aqui.

Dezenas de estudantes do Polivalente estiveram na Câmara na sessão de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27
Dezenas de estudantes do Polivalente estiveram na Câmara na sessão de hoje. Foto: João Thomazelli/Portal 27

“No prédio em que estamos estudando, estamos em salas extremamente quentes. Ontem o laboratório de informática foi interditado por que o teto apresenta risco de desabamento”, reclamou a estudante. Ela também pediu para que os vereadores e prefeitura intercedam por eles junto ao Governo do Estado, de quem é a obra.