Desde que assumiu a gestão em Anchieta, Fabrício Petri (PMDB), vem mostrando o caos que ele teria encontrado na cidade que foi administrada nos últimos quatro anos por Marquinhos Assad (PTB). Várias matérias com esses problemas financeiros foram divulgadas aqui no Portal 27.

Canso de ser alvo destas informações e sendo acusado de ter deixado o município cheio de dívidas, o ex-prefeito Marquinhos Assad resolveu se manifestar destas, que segundo ele, são “Informações falsas e distorcidas e que não condizem com a realidade dos fatos”.

“Venho aqui repudiar as informações declaradas pela atual administração de Anchieta aos meios de comunicação.”

Dívidas. Segundo ele, são totalmente falsas as informações divulgadas pela atual administração de que ele deixou R$ 100 milhões em dívidas. De acordo com Marquinhos, o total deixado em dívidas é de apenas de R$ 13 milhões, o que segundo ele “é totalmente normal dentro do orçamento municipal”.

Marquinhos enviou a imprensa uma nota de repúdio e alguns prints que comprovariam os débitos e a situação financeira durante o seu governo.

Confira na integra a nota de repúdio enviada por Marquinhos 

Venho aqui repudiar as informações declaradas pela atual administração de Anchieta aos meios de comunicação. Informações estas falsas e distorcidas e que não condizem com a realidade dos fatos. E antes de mais nada faço saber que são totalmente falsas as informações divulgadas pela atual administração de que deixamos R$ 100 milhões em dívidas.

Deixamos restos a pagar de 2016 no valor de R$ 13 milhões, o que é totalmente normal dentro do orçamento municipal, e que ainda foi causado pela demora da Câmara dos Vereadores em aprovar o projeto de suplementação orçamentária.

Quando assumimos a Prefeitura quatro anos atrás, herdamos restos a pagar acumulados em 2012 no valor de 17 milhões e a Prefeitura praticamente sucateada em todas as áreas, além de vários arquivos apagados.

Arrecadação da prefeitura em 2012

Nos últimos dois anos especialmente, Anchieta enfrentou duas crises: a econômica nacional e a paralisação da Samarco e todos sabem os efeitos desastrosos em nossas finanças por causa disso. Ao contrário de reclamar, trabalhamos para não demitir funcionários e não paralisar a administração pública. 

Nos 4 anos demos ao servidor reajuste real de 23,6% e quase que dobramos o ticket alimentação. Mas nossa maior preocupação foi manter o emprego e os salários em dia.

Com apenas 8% de suplementação orçamentária votado pela câmara fizemos essa travessia com sucesso, ao contrário de todos os outros prefeitos que tiveram 60%, inclusive o atual. Deixamos ainda um crédito à receber que só com a Samarco totalizam mais de R$ 40 milhões que entrarão nos cofres municipais ainda neste ano.

Arrecadação da prefeitura em 2016

E mesmo diante da crise econômica e da queda drástica de arrecadação, executamos um conjunto de obras e serviços poucas vezes realizadas em Anchieta. Nos últimos 2 anos nós administramos em média R$ 19 milhões por mês, quando que na gestão anterior, ou seja, do grupo que aí está a arrecadação era de mais de R$ 30 milhões por mês.

Sabendo do cenário, já em 2015 editamos um decreto de contingenciamento para reduzir as despesas da Prefeitura. E este mesmo decreto foi reforçado em 2016 para reduzir despesas e negociar com os fornecedores. Isso orgulha a mim e a nossa equipe que trabalhou nesse contexto, proporcionando melhor qualidade de vida aos anchietenses e enchendo os olhos dos turistas que aqui frequentam.

Rapasses ao MEPES

Governar não é palanque. Governar é enfrentar as crises e os desafios. É transformar as dificuldades em benefícios para a população. As mentiras contadas para justificar ingestão e ingerência passarão e o povo entenderá o benefício que o nosso governo proporcionou em apenas 4 anos de governo.

Deixe seu comentário