12687_3Depois de causar uma grande confusão, dirigir embriagada, tentar fumar uma nota de R$ 50,00, tentar ligar o carro com um canudinho de plástico e ser flagrada e levada pela Guarda Municipal de Vitória para casa de amigos em uma viatura da PM. Luiza Gomes, de 20 anos, foi liberada para dirigir novamente no no dia 12 de dezembro de 2013. Segundo a polícia, a medida de levá-la para casa, foi tomada para resguardar a integridade da jovem, que estava bêbada.

“JULGO E DECLARO EXTINTA A PUNIBILIDADE em face de Luiza Gomes, pelo cumprimento integral da pena transacionada, para que surta seus efeitos jurídicos e legais, bem como REVOGO A MEDIDA CAUTELAR de proibição de obter a Carteira Nacional de Habilitação decretada pelo Juízo da Vara de Inquéritos Criminais (fls. 63/68). P.R.I. Notifique-se o Ministério Público. Oficie-se ao DETRAN/ES e ao CONTRAN para ciência e providências cabíveis. Após o trânsito em julgado, certificado, arquivem-se, após as baixas devidas”, determina a juíza Rachel Durão Correia Lima

+ VEJA AS IMAGENS DO CARRO E DA ESTUDANTE NA TERCEIRA PONTE

Luiza que é estudante de direito, ela foi punida depois de causar diversas infrações no trânsito. Foi no dia 17 de agosto de 2012, um Honda Fit, dirigido pela estudante, colidiu contra as muretas da Terceira Ponte. Imagens de videomonitoramente mostraram a estudante dirigindo sem controle. Luiza estava sem a carteira de habilitação e queria ligar o carro com um canudo e seguir viagem em direção à Nova Venécia.

Ela criticou a eficácia da Lei Seca e disse que se aproveitaria de uma brecha na lei para se livrar da situação.
Ela criticou a eficácia da Lei Seca e disse que se aproveitaria de uma brecha na lei para se livrar da situação.

Luiza ainda, foi obrigada a trabalhar durante 4 meses, prestando serviços comunitários no Hospital da Polícia Militar (HPM), em Bento Ferreira. Mas, a juíza Rachel Durão Correia Lima, do 2º Juizado Especial Criminal de Vitória, revogou a medida cautelar que havia proibido Luiza Gomes de tirar nova Carteira Nacional de Habilitação. A mãe de Luiza, dona do veículo, também foi condenada. Ela teve que pagar R$ 400 em cestas básicas a instituição de Combate ao Câncer no ES.

A estudante ficou famosa nacionalmente e virou um “meme” pelos incríveis bordões sobre as leis e suas eficácias. “Essa questão, de beber e dirigir. Qual a eficácia da lei? Não existe eficácia. A partir do momento em que existe uma brecha, a gente se aproveita daquilo”, disse Luiza à uma emissora do estado.

Deixe seu comentário