As fortes chuvas que atingiram Guarapari na última segunda-feira (16), trouxeram à tona problemas antigos da cidade. Na Rua Anchieta, no bairro Bela Vista, o valão a seu aberto não suportou o grande volume de água e transbordou, o que preocupou os moradores do entorno.

Algumas horas depois da intensa chuva que atingiu Guarapari, o valão conseguiu escoar parte da água, mas o volume ainda era grande.

Maria dos Anjos Costa, que mora no local, ficou ilhada em sua casa e com medo de que água proveniente de esgoto doméstico invadisse sua residência. “A água chegou a tapar a ponte que atravessa o esgoto e que dá acesso a minha casa e de outros vizinhos. Esta é uma obra irregular, já que a prefeitura não fornece saneamento, alguns moradores fizeram por conta própria. Só que as manilhas que foram colocadas não deram conta de tanta água. Fica muito próximo a minha casa, estava com muito medo daquela água fosse entrar aqui”, diz.

Nesta foto, feita por Maria do Anjos, é possível ver que a vala chegou a alcançar o nível da ponte, deixando os moradores ilhados.

Ela fala que além do problema das chuvas, o esgoto traz outros transtornos para a comunidade. “É um valão a seu aberto, muito próximo das casas. Traz muito mal cheiro e moscas para dentro das nossas casas. Aqui tem muitos idosos e crianças que podem contrair alguma doença por causa desse esgoto sendo dispensado assim. Quando cai bola ali dentro, as crianças entram e pegam, o risco para a saúde delas é muito grande”, comenta.

Maria dos Anjos conta que a há tempos a Associação de Moradores do bairro cobra a construção da rede coletora de esgoto. “Essa é uma reivindicação antiga da associação de moradores. Aquela é uma obra irregular, já que não foi feita pela prefeitura, por que a fiscalização não vem aqui? Ninguém faz nada para resolver esse problema”, lamenta a moradora.

O Portal 27 procurou a prefeitura, que através de nota, informou que “Conforme legislação vigente, onde não há rede de coleta é de RESPONSABILIDADE DO CIDADÃO possuir sistema de tratamento convencional (fossa, filtro e sumidouro), sendo expressamente proibido a realização de ligações clandestinas e rede e manilhamento sem qualquer tipo de aprovação ou controle ambiental eficiente.

A Secretaria de Obras já está realizando estudos para a melhor forma do escoamento deste esgoto, entretanto, até que o serviço seja executado, os moradores devem se adequar à legislação, evitando o lançamento clandestino.

Durante esses períodos o grande volume de água das chuvas muitas vezes a água contaminada com sujeira das ruas e dejetos de esgotos, que carregam diversas doenças como leptospirose, hepatite A e fungos.

A contaminação é muito comum em situações de enchentes e inundações, quando as pessoas permanecem em contato prolongado com a água contaminadas. Os moradores devem evitar contato com água e lavarem bem pernas, pés e outras partes do corpo que tenham entrado em contato”, afirmou a prefeitura.